Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2011 / 09 / Enviado da ONU vai a Trípoli discutir situação da Líbia pós Khadafi

Enviado da ONU vai a Trípoli discutir situação da Líbia pós Khadafi

por Agência Brasil publicado , última modificação 03/09/2011 13h36

Brasília - O enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU), Ian Martin, desembarcou neste sábado (3) em Trípoli, capital da Líbia, para discutir os esforços internacionais para a recuperação do país após a derrubada do regime liderado pelo coronel Muamar Khadafi. Martin disse que discutirá como a ONU poderá ajudar o governo interino formado pelo Conselho Nacional de Transição (CNT).

O conselho anunciou que mudará sua sede de Benghazi, no leste do país, para Trípoli na semana que vem para se declarar como o novo governo da Líbia. O CNT disse esperar reinstalar a democracia na Líbia nos próximos 20 meses e afirmou que sua prioridade no momento é reativar a economia do país. No entanto, os combatentes do grupo ainda enfrentam pequenos focos de resistência pró-Khadafi e ainda procuram pelo paradeiro do próprio ex-líder, que governou o país por 42 anos.

Segundo o enviado da ONU, a organização está pronta para colaborar com governo de transição. "Acredito que os futuros líderes da Líbia enfrentem um desafio muito grande. Eles já mostraram os caminhos pelos quais eles estão prontos a enfrentar esses desafios, e será o comprometimento das Nações Unidas assisti-los no que eles requisitarem", afirmou Martin ao desembarcar.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que é importante para a comunidade internacional "agir conjuntamente em um plano de ação efetivo e coordenado". Segundo ele, o desafio mais imediato é humanitário. "Cerca de 860 mil pessoas deixaram o país desde fevereiro, incluindo muitos trabalhadores estrangeiros capacitados. Os serviços públicos estão sob grande pressão, incluindo hospitais e clínicas. Há uma grande escassez de água", listou. Mas ele insistiu em dizer que apesar da ajuda internacional, "o destino futuro da Líbia deve estar nas mãos do povo líbio".

O CNT informou, neste sábado, que espera reiniciar, na próxima semana, a produção de petróleo em dois campos. As novas autoridades líbias disseram esperar a retomada do nível de produção de antes da guerra civil, de 1,6 milhão de barris por dia, em até 15 meses.

registrado em: , ,