Boiada na habitação

Com PL 529, Doria acaba com acesso dos mais pobres à moradia

Projeto de Lei extingue a CDHU e transfere atividades para a Secretaria de Habitação, comandada por ex-presidente do maior sindicato patronal do setor imobiliário da América Latina

Reprodução TVT
Políticas habitacionais têm sido desmontadas pelos governos tucanos. Mas Doria quer destruir de vez

São Paulo – Se depender do governador João Doria (PSDB), a falta de moradia para a população de baixa renda tende a piorar em São Paulo. O Projeto de Lei (PL) 529 apresentado por Doria à Assembleia Legislativa no último dia 13, e que tramita em regime de urgência, prevê a extinção da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo. A CDHU está entre os dez órgãos, autarquias e empresas que prestam serviços essenciais à população paulista que o governo Doria pretende extinguir com o PL 529. Assim como a Fundação para o Remédio Popular (Furp), que produz os medicamentos distribuídos nos postos de saúde e vendidos na rede de farmácias Dose Certa.  

O PL 529, encaminhado por Doria ao Legislativo paulista em meio à pandemia que já matou mais de 30 mil pessoas no estado – epicentro da covid-19 no país –, é considerado cruel, vergonhoso e absurdo pela União dos Movimentos de Moradia (UMM). “O estado tem de estar na linha de frente do planejamento e execução de políticas habitacionais para a população de baixa renda, que não consegue atender as exigências dos bancos para obter financiamento. E a CDHU é voltada para atender essa população”, diz Evaniza Rodrigues, uma das líderes da UMM.

Ataques tucanos

Segundo a Secretaria Estadual da Habitação, a CDHU é uma das maiores companhias habitacionais do mundo. Fundada em 1967, ela atua diretamente na produção de moradias, na urbanização de favelas e áreas de risco e também na regularização fundiária urbana. Ainda de acordo com a secretaria, nesses mais de 50 anos foram construídas mais de 500 mil habitações no estado.

Evaniza destaca que a CDHU fez história com diversas políticas. Ela cita o o programa de mutirões, em que as moradias eram construídas por meio da autogestão, com qualidade e organização popular. Também lembra o programa de atuação em cortiços, beneficiando moradores da capital paulista e de Santos. Segundo a ativista, até o início dos anos 1990 as regras do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) permitiam mais recursos à CDHU. “Da primeira gestão de Geraldo Alckmin (PSDB) para cá, de 2001 a 2006, esses programas começaram a ser abandonados. O também tucano José Serra deu continuidade ao esvaziamento da CDHU que agora Doria quer extinguir”, diz.

No lugar dessas políticas exitosas, foi criado o Casa Paulista. Evaniza compara o programa a um guichê de transferência de recursos públicos para as construtoras e de parcerias público-privadas pouco transparentes. Na prática, explica, funcionam como um braço do setor privado dentro da estrutura do poder público.

Quatro anos após golpe contra Dilma, plano que retirou milhões da pobreza é reduzido a um aplicativo
Programa Casa Verde e Amarela é insignificante e ridículo, diz Miriam Belchior

Minha Casa Minha Vida

Por isso, a maioria dos programas da CDHU atualmente se resume a urbanização de favelas e ações em áreas de risco –, como o bairro Cota, na Serra do Mar, em Cubatão, com a remoção de famílias para outras regiões. E há ainda entrega de casas em áreas no interior do estado. “O que foi sendo deixado à míngua no decorrer dos anos, agora sofre risco de acabar. Apesar de esvaziada, a CDHU ainda é um braço executor de política habitacional. Se for extinta, a perda será muito grande”, diz a integrante do União dos Movimentos por Moradia.

A coordenadora estadual do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Jussara Basso, chama atenção para a queda na produção habitacional. Pela CDHU e pelo programa federal Minha Casa Minha Vida, duramente atingido pelo golpe de 2016. “Com o fim do MCMV, e mesmo com o (recém-anunciado) programa Casa Verde e Amarela, do governo Bolsonaro, não há provisão habitacional para a população de baixa renda. Daí a necessidade de retomada da empresa estadual e municipal de São Paulo, a Cohab. Mas cada vez mais as políticas voltadas para a área social vão sendo esvaziadas”, diz.

Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV) relativos a 2018, só na Região Metropolitana de São Paulo o déficit habitacional é de 1 milhão de moradias. A instituição ainda não tem dados atualizados sobre o impacto da pandemia sobre a questão da habitação na região. Ou seja, mais de 1 milhão de famílias paulistas da região metropolitana mais rica do país não tem um teto. A maioria deles (67%) são famílias com renda de no máximo três salários mínimos.

PL 529 de Doria e o mercado

Casas populares no interior paulista. Programa habitacional pode ser extinto. (Foto; CDHU)

Segundo o anexo da minuta do PL 529, o desenvolvimento “dos programas estimuladores da atividade privada para o setor de habitação de interesse social”, como o Casa Paulista e o Minha Casa Minha Vida, e os “bons resultados alcançados com as Parcerias Público-Privadas para o setor”, a CDHU perdeu espaço na operação direta de construção e financiamento habitacional. Com essas alegações, Doria considera que suas atividades podem ser transferidas para a Secretaria de Habitação e os bens móveis e imóveis poderão ser vendidos ou destinados a outros usos.

A pasta da Habitação é comandada pelo empresário do setor imobiliário Flavio Amary. Por dois mandatos ele presidiu o sindicato patronal Secovi-SP, a maior representação latino-americana de empresas do setor imobiliário.

“Para o mercado imobiliário, moradia é para quem pode pagar. Uma especulação que afronta o direito de todos previsto no artigo 6º da Constituição”, destaca Evaniza, da União dos Movimentos de Moradia. A militante lembra que a CDHU é um programa de governo, não um banco. “Para financiar um imóvel, o banco faz todo um levantamento da vida da pessoa. Exige comprovação de renda permanente e, quando a pessoa passa por todo esse funil, obtém 80% do valor do imóvel que quer comprar. Ou seja, tem de ter um fundo de garantia e uma poupança, o que essas pessoas não têm. Para acessar seu direito, a população de baixa renda não é sujeita de crédito. É preciso haver subsídio, coisa que o setor privado não fará porque não dá lucro”, defende.

Na rua porque gostam

João e Bia Doria, e a escassez de política de habitação: afinal, pessoas vão morar nas ruas porque gostam. (Foto: Reprodução)

Jussara, do MTST, diz que o fim da CDHU, atrelado à falta de políticas sociais e de geração de emprego e renda, tende a aumentar o número de pessoas sem acesso ao direito à moradia, e as em situação de rua. “As pessoas não moram nas ruas porque gostam, como disse a primeira-dama, mas porque faltam políticas sociais”, contesta.

No início de julho, a artista plástica e primeira-dama do estado, Bia Doria, disse que a população em situação de rua está nesta situação porque “gosta”. Em conversa com a socialite Val Marchiori, disse que não se deve ajudar essas pessoas com marmitas, porque elas se acomodam. “É um atrativo.” Em 2016, ela havia declarado não conhecer o centro da capital.

“Por isso tudo é preciso uma forte mobilização que envolva todos os setores, que faça as pessoas e os parlamentares se levantar contra o PL 529 do Doria. Essa proposta que afeta tantos setores não pode passar”.

Edição: Paulo Donizetti de Souza