Home Política Bolsonaro não cogita extinção da Justiça do Trabalho, diz presidente do TST
planos

Bolsonaro não cogita extinção da Justiça do Trabalho, diz presidente do TST

João Batista Brito Pereira recebeu a informação em conversa pessoal com o chefe do Executivo. Ele considera 'inoportuno' apoio institucional a protestos marcados para segunda-feira
Publicado por Redação RBA
Política
Compartilhar:   
Justiça do Trabalho

Atos estão marcados para segunda e também para 5 de fevereiro, em defesa da Justiça do Trabalho, que estaria na mira do governo

São Paulo – Às vésperas de protestos contra a ameaça de extinção da Justiça do Trabalho, o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), João Batista Brito Pereira, disse que Jair Bolsonaro não tem planos nesse sentido. Em carta, ele informou ter tido na manhã desta sexta-feira (18) uma “conversa pessoal” com o presidente da República. Nesse contato, o chefe do Executivo “assegurou-me que não cogita em qualquer plano ou projeto acerca de alteração constitucional envolvendo a Justiça do Trabalho”.

Ele lembrou visita feita por Bolsonaro em 13 de novembro, dizendo que naquela ocasião o então presidente eleito disse que qualquer mudança legal sobre o tema seria precedida de consulta aos ministros do TST. E o tribunal “jamais duvidou da seriedade e da serenidade” daquela declaração, acrescentou o magistrado.

Com isso, Brito Pereira, acredita que não há motivo para as manifestações previstas para segunda-feira (21), em defesa do Judiciário trabalhista. Em ofício endereçado à presidenta do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 9ª Região, no Paraná, Marlene Suguimatsu, o presidente do TST, que também está a frente do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT), considerou que um apoio institucional aos atos teria “inconveniência” e “inoportunidade”.

Além da próxima segunda-feira nos estados – em São Paulo, há manifestação prevista para as 10h diante do fórum trabalhista da Barra Funda, na região central –, foi marcado um protesto nacional para 5 de fevereiro. A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) convidou Brito Pereira. O evento tem apoio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas (Abrat) e a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT).