Home Mundo Crise no Paraguai é agravada pela situação econômica do país
Águas turbulentas

Crise no Paraguai é agravada pela situação econômica do país

Governo de Mario Abdo corre risco de impeachment após descoberta de acordo prejudicial ao país feito com governo de Bolsonaro
Publicado por Luciano Velleda, para a RBA
18:09
Compartilhar:   
Agência Brasil

Situação de Mario Abdo se complicou desde que veio à tona acordo com governo brasileiro prejudicial ao Paraguai

São Paulo — A senadora paraguaia Esperanza Martinez, integrante da Frente Guasú, coalizão de partidos de esquerda e centro-esquerda criada em 2010, diz ser insustentável a situação do atual presidente do país, Mario Abdo Benítez. O chefe do Executivo corre o risco de sofrer impeachment após ter sido descoberta a negociação feita pelo seu governo com o governo de Jair Bolsonaro (PSL), relativa a compra de energia gerada pela hidrelétrica de Itaipu num acordo em que o Paraguai pagaria US$ 50 milhões adicionais por ano, até 2023.

Desde que o acordo veio à tona, tendo sido posteriormente anulado, numa ação do governo Bolsonaro para ajudar o aliado paraguaio, o assunto tem amplamente discutido no país vizinho, dando origem a fortes protestos. Envolvido na negociação, o vice-presidente, Hugo Velásquez, foi há poucos dias atingido por ovos após sair de uma entrevista a um meio de comunicação local.

“As pessoas estão muito enojadas, sem esperança, e não acreditam em nada no Presidente da República. É impossível ficar com um governo que tem quatro anos pela frente e que não tem nenhuma credibilidade. O Presidente da República não tem nenhuma possibilidade de fazer a inauguração de um hospital ou de uma escola, porque as pessoas vão protestar”, afirmou a senadora Esperanza Martinez, em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual.

A senadora explica que a crise política é ainda agravada pelas dificuldades econômicas do Paraguai. O país passa por uma desaceleração econômica nos últimos dois anos Paraguai, com crise na agricultura, queda no preço das commodities, sistema de saúde com falta de medicamentos e de funcionários, e aumento do desemprego.

“Não precisamos apenas resolver o problema da negociação de Itaipu com o Brasil, temos muitos negócios com o Brasil sobre a tríplice fronteira, o comércio na fronteira, importações e muitas situações econômicas ligadas ao Brasil. E temos um representante que não tem credibilidade. Não é uma situação social fácil no Paraguai. Precisamos de um governo forte, que tenha um plano de trabalho para os próximos cinco anos. E é impossível com um presidente que hoje é motivo de piada, que não pode falar com o setor empresarial, não pode viajar ao exterior”, critica Esperanza.

Apesar do Partido Colorado, ao qual Maria Abdo é filiado o presidente, manter o apoio ao presidente, a integrante da Frente Guasú acredita que a combinação da crise econômica com a mobilização social, pode fazer avançar o processo de impeachment. “Precisamos de uma saída democrática e de uma nova equipe de governo, porque não é possível sustentar, política e economicamente, o presidente Maria Abdo Benitez”, afirma a senadora.

Na entrevista, Esperanza ainda definiu o presidente Jair Bolsonaro como a representação de um modelo fascista, autoritário e violento, desejou que o Brasil volte a ser uma democracia inclusiva e solidária, e prestou seu apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “O Paraguai tem um grande carinho e damos muita força para ele, sua família, e todos os brasileiros que defendem a democracia no Brasil, um país que sempre trabalhou pela construção de uma América Latina unida.”

Ouça a entrevista completa