BOLA PRA FRENTE

Brasil perde da França e joga tudo ou nada contra Jamaica na Copa

Seleção vinha conseguindo um empate importante, mas tomou um gol previsível no final e agora chega na última rodada precisando bater as caribenhas para avançar às oitavas de final sem depender do Panamá

(Thaís Magalhães/CBF)
(Thaís Magalhães/CBF)
Brasil nunca derrotou a França no futebol feminino

São Paulo – A seleção brasileira perdeu para a França por 2 a 1 neste sábado (29), pela Copa do Mundo feminina de futebol. O jogo foi válido pela segunda rodada e, com isso, o time chega na terceira e última partida da fase de classificação precisando bater a Jamaica para avançar às oitavas de final. As francesas abriram o marcador no primeiro tempo, o Brasil empatou na etapa complementar, mas, a cerca de dez minutos do fim, tomou o segundo gol em uma jogada pra lá de previsível do time europeu.

A camisa nove Le Sommer marcou o primeiro gol do confronto aos 17 minutos do primeiro tempo e chegou a 90 tentos com a camisa francesa, a maior artilheira da história da seleção azul. Debinha, a camisa nove brasileira e maior artilheira da era Pia Sundhage, técnica do Brasil, empatou aos 13min da segunda etapa. Aos 37min, porém, a zagueira Renard, de 1,87 m de altura, decretou a vitória francesa anotando de cabeça após escanteio. A jogada é uma das mais conhecidas do futebol feminino, tanto que fez de Renard a artilheira francesa na Copa de 2019, com três gols.

(Thaís Magalhães/CBF)
Debinha deixou mais um na era Pia (Thaís Magalhães/CBF)

Estádio lotado

Vale destacar o público de quase 50 mil pessoas, com grande maioria verde e amarela, presentes ao Suncorp Stadium, de Brisbane, na Austrália, lotação quase completa das arquibancadas.

A França dominou o primeiro tempo e, antes de abrir o placar, Le Sommer já havia obrigado a goleira Lelê a fazer uma bela defesa. Na segunda oportunidade que teve, porém, a artilheria não perdoou desviando de cabeça um passe, também de cabeça, feito por Diani. O Brasil, apesar do apoio da torcida, encontrava dificuldade para sair da forte marcação adversária. A única chance foi aos 22 minutos com Adriana.

(twitter/FIFAWWC)
Le Sommer, 90 gols pela seleção francesa (twitter/FIFAWWC)

O Brasil voltou melhor no segundo tempo, passou a rondar mais a área francesa e chegou ao empate. Aos 12 minutos, Debinha aproveitou a rebatida da defesa adversária e levantou o estádio completando com categoria de perna direita. Um pouco mais tarde, a mesma Debinha puxou um contra-ataque mortal pelo meio, teve a chance de colocar Geyse na cara do gol, mas optou pela jogada individual e foi desarmada.

Precisando da vitória, o técnico francês colocou em campo a veloz promessa Becho. E deu certo. Um lançamento para ela pela direita forçou a zagueira brasileira Rafaelle a ceder um escanteio. Na cobrança, Renard surgiu livre no segundo pau para vencer Lelê.

(Thaís Magalhães/CBF)
Torcida brasileira lotou o Suncorp Stadium (Thaís Magalhães/CBF)

Vida ou morte

No outro jogo da rodada no Grupo F da Copa do Mundo feminina, também neste sábado, a Jamaica derrotou o Panamá por 1 a 0. Com isso, francesas e jamaicanas passam a somar quatro pontos e o Brasil permanece com três. Assim, na última rodada, o Brasil vai precisar derrotar a mesma Jamaica na quarta-feira (2), a partir das 7h, para avançar às oitavas de final. Se empatar, passa somente em caso de uma impensável derrota das francesas para as já eliminadas panamenhas.

(Google)
(Google)

*Atualizada às 11h39