Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2017 / 06 / Partido de Macron vence 1º turno das eleições legislativas na França

Em Marcha

Partido de Macron vence 1º turno das eleições legislativas na França

Partido Socialista registra sua maior derrota. França Insubmissa, de esquerda, deve conquistar entre 11 e 21 cadeiras; Frente Nacional despenca e deve conseguir, no máximo, 10 assentos
por Redação publicado 12/06/2017 12h47, última modificação 12/06/2017 17h08
Partido Socialista registra sua maior derrota. França Insubmissa, de esquerda, deve conquistar entre 11 e 21 cadeiras; Frente Nacional despenca e deve conseguir, no máximo, 10 assentos
Reprodução/Facebook/Emannuel Macron
macron2.jpg

Emmanuel Macron votou nas eleições parlamentares deste domingo na França

DW Brasil – O partido do presidente Emmanuel Macron venceu com maioria esmagadora o primeiro turno das eleições legislativas na França neste domingo (11), alcançando cerca de 32% dos votos, segundo projeções da mídia.

A projeção divulgada pela agência de notícias francesa AFP confere à legenda de Macron, a centrista A República em Marcha! (LREM), entre 32,2% e 32,9% dos votos (equivalente a 390 a 445 do total de 577 assentos na câmara baixa do Parlamento).

Os Republicanos (direita) ficaram entre 20,9% e 21,5% (80 a 132 assentos); Frente Nacional (extrema direita) de Marine Le Pen, 13,1% a 14% (1 a 10 assentos); França Insubmissa (esquerda) 11% (10 a 23 assentos); Partido Socialista 9% a 10,2% (15 a 40 assentos), numa derrota histórica.

Cerca de 47 milhões de eleitores foram convocados a votar num total de 7.878 candidatos. A maioria absoluta no Parlamento francês é de 289 assentos. Caso não haja candidatos com mais de 50% dos votos nas diferentes circunscrições, os que tiverem pelo menos 12,5% concorrem no segundo turno, em 18 de junho.

Legislativas cruciais

A composição da câmara baixa do Parlamento francês é tão crucial para o andamento do governo, que as eleições parlamentares são denominadas pelos franceses "terceiro turno" das presidenciais. Ainda assim, o domingo eleitoral foi marcado por forte abstenção, ultrapassando, pela primeira vez, em cerca de 60 anos, a marca de 50% no primeiro turno das legislativas.

Concorrendo pela primeira vez a um cargo político o centrista de 39 anos Emmanuel Macron assumiu a presidência da França em 14 de maio último. Ele precisa que seu movimento – criado há apenas 14 meses e, por isso, sem nenhum parlamentar – conquiste maioria absoluta, para que possa promover as reformas prometidas durante a campanha eleitoral, inclusive a da lei trabalhista.

Sem a maioria dos deputados, o que parece difícil de acontecer, dadas as projeções, Macron seria obrigado ainda a aceitar um primeiro-ministro escolhido pela oposição – situação denominada "coabitação" na política francesa, que não ocorre há 15 anos.