Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2012 / 12 / Países europeus reagem à decisão de Israel de construir novos assentamentos

Países europeus reagem à decisão de Israel de construir novos assentamentos

Embaixadores israelenses foram convocados e diplomatas afirmam que medidas mais duras estão sendo consideradas por Londres e Paris
por Marina Mattar, do OperaMundi publicado , última modificação 03/12/2012 12h54
Embaixadores israelenses foram convocados e diplomatas afirmam que medidas mais duras estão sendo consideradas por Londres e Paris

Desta vez, haverá uma ação efetiva constra Israel, avisou um oficial europeu (Foto: Mohamad Torokman / Reuters)

São Paulo – Reino Unido, França e Suécia convocaram hoje (03) os embaixadores israelenses de seus países para uma reunião a fim de protestar contra a decisão de Israel de construir novos assentamentos no território palestino. De acordo com diplomatas europeus consultados pela mídia internacional, Londres e Paris ainda consideram retirar seus embaixadores do país pela primeira vez e aprovar outras medidas retaliativas.

“Desta vez, não será apenas uma condenação, haverá ação real contra Israel”, disse um oficial europeu ao jornal israelense Haaretz. “As autoridades britânicas estão furiosas sobre a decisão de expandir os assentamentos”, afirmou outro diplomata.

A decisão do premiê israelense, Benjamin Netanyahu, de continuar a construção de colônias na zona E1 em Jerusalém Oriental e de 3 mil casas nos territórios palestinos ocupados da Cisjordânia, enfureceu as autoridades europeias e norte-americanas por comprometer o funcionamento de um futuro estado palestino. Caso o plano seja colocado em prática, os novos assentamentos devem interromper a continuidade territorial entre o norte e o sul da Cisjordânia, impossibilitando, assim, a solução de dois estados.

A ação seria uma resposta à votação realizada nas Nações Unidas na sexta-feira (30), que elevou a Palestina à categoria de Estado observador não-membro na entidade,

O Reino Unido e a França estão coordenando suas ações em relação a Israel e devem anunciar novas represálias nos próximos dias, informaram diplomatas não identificados ao Haaretz. Segundo as informações, os governos estão considerando suspender diálogos estratégicos com Tel Aviv, rotular produtos israelenses originados dos territórios palestinos ocupados e até promover sanções contra as colônias. Os oficiais disseram que a Casa Branca e Berlim foram comunicados sobre essas possíveis iniciativas.

Os embaixadores Daniel Taub, em Londres, Yossi Gal, em Paris, e Isaac Bachman, em Estocolmo, foram informados hoje (3) pelos governos europeus que Israel deve voltar atrás em sua decisão de continuar a construção dos assentamentos. 

“O Reino Unido lamenta a decisão recente do governo de Israel de construir 3 mil unidades habitacionais no assentamento Cisjordânia e de descongelar o desenvolvimento do bloco E1. Isto ameaça a viabilidade da solução de dois Estados e pedimos ao governo israelense para reverter a decisão", disse Alistar Burt, secretário britânico para o Oriente Médio e África do Norte, ao embaixador israelense.

“Todas as opções estão na mesa”, disseram diplomatas britânicos citados pela emissora Sky News. De acordo com os oficiais, as autoridades estão pensando em propor a suspensão de acordos comerciais com Israel em instituições europeias.

Outros países europeus

O ministro de Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, disse que os planos israelenses eram de “construir uma nova área de colonização” e que se confirmados, iria “minar a confiança necessária em uma retomada das negociações com as autoridades palestinas”.

O embaixador holandês Caspar Veldkamp, o da União Europeia Andrew Standley e o vice-embaixador alemão ligaram para o Ministério de Relações Exteriores ontem. Veldkamp disse que seu país, que se absteve na última votação na ONU sobre o reconhecimento do Estado da Palestina, não vai mais apoiar Israel nos próximos passos diplomáticos. 

Novas medidas contra palestinos

O Conselho de Ministros de Israel, aprovou ontem, por unanimidade, uma resolução oficial que rejeita o reconhecimento da Palestina pela ONU (Organização das Nações Unidas) como estado observador não-membro. O órgão, presidido pelo primeiro-ministro israelense, o conservador Benjamin Netanyahu, declarou que o estado israelense tem o direito de reivindicar os territórios em disputa “na Terra de Israel”.

Israel ainda anunciou que não repassará, neste mês, os impostos coletados em nome da ANP. "Eu não penso em transferir dinheiro neste mês. Vou usá-lo para pagar pelas dívidas que a ANP contraiu com a empresa de eletricidade", disse o ministro das Finanças de Israel, Yuval Steinitz.

Hoje, uma fonte dentro do Escritório do Primeiro-Ministro informou que o governo está planejando novas medidas contra as autoridades palestinas. “Os palestinos vão logo perceber que eles fizeram um erro ao tomar passos unilaterais”, disse o oficial ao Haaretz.