Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2009 / 10 / Petroleiros rejeitam proposta da Petrobras e podem parar por tempo indeterminado

Petroleiros rejeitam proposta da Petrobras e podem parar por tempo indeterminado

por Nielmar de Oliveira publicado , última modificação 23/10/2009 11h30

Passeata em Macaé, no Rio (Foto: FUP/Divulgação)

Rio de Janeiro - Os empregados da Petrobras ligados à Federação Única dos Petroleiros (FUP) rejeitaram a nova contraproposta apresentada pela empresa e poderão entrar em greve por tempo indeterminado a partir da próxima segunda-feira (26), com a realização das assembleias da categoria em todo o país.

O diretor de Administração e Patrimônio da FUP, José Maria dos Santos Nascimento, disse, em entrevista à Agência Brasil, que a segunda contraproposta apresentada pela Petrobras aos petroleiros foi rejeitada na própria mesa de negociações na última terça-feira (20), quando seis integrantes do Sindipetro-RJ decidiram permanecer ocupando a sala onde ocorreu a reunião.

“Essa segunda contraproposta foi ainda pior do que a primeira. Ela aumenta a descriminação contra os aposentados e pensionistas e causou revolta até entre os empregados da ativa. Por isso decidimos rejeitar a proposta na própria mesa de negociação e ocupar a sala de reunião, repetindo dezembro de 2007 quando lá ficamos por 11 dias”, disse.

Um dos pontos mais importantes da pauta de reivindicações da FUP é a suspensão das punições impostas pela Petrobras à parte da categoria que aderiu à última paralisação. Eles querem ainda a reposição com base no índice do custo de vida do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), de 3,75%, ganho real de 10% e produtividade de 5,1%.

A FUP representa 12 dos 18 sindicatos ligados à estatal (com cerca de 32 mil trabalhadores) que atuam em bases importantes de distribuição, refino e produção – inclusive as plataformas da Bacia de Campos, no litoral norte do Rio de Janeiro, região responsável por mais de 80% de toda a produção nacional de petróleo, hoje da ordem de 2 milhões de barris de petróleo por dia.

Sobre a ocupação da sala da reunião, a Petrobras disse, por meio de nota, que ao término da reunião de apresentação de nova proposta para o Acordo Coletivo de Trabalho 2009 na noite de terça-feira, com a presença de 53 representantes sindicais, seis sindicalistas decidiram permanecer no local.

Fonte: Agência Brasil