Pandemia

Distúrbios neurológicos pós-covid: uma pandemia à parte?

Estudo mostra que um em cada três sobreviventes da covid-19 foi diagnosticado com transtorno cerebral ou psiquiátrico até seis meses após a doença. Neurologista da Universidade da Flórida explica o que se sabe até agora

pixabay
A explicação mais plausível para os efeitos diretos da covid longa no cérebro deve-se às suas conexões por todo o corpo e ao fato de ser uma doença que atinge múltiplos órgãos

Tradução adaptada a partir de The Conversation – Um em cada três sobreviventes de covid-19, aqueles mais comumente referidos como long-haulers (pacientes com covid longa ou persistente), sofria de distúrbios neurológicos ou psiquiátricos seis meses após a infecção, mostrou um estudo recente de mais de 200 mil pacientes pós-covid-19.

Os pesquisadores analisaram 236.379 pacientes britânicos com diagnóstico de covid-19 ao longo de seis meses, analisando complicações neurológicas e psiquiátricas durante esse período. Eles compararam esses indivíduos a outros que experimentaram doenças respiratórias semelhantes que não eram derivadas do coronavírus.

Eles descobriram um aumento significativo em várias condições clínicas entre o grupo com covid-19, incluindo perda de memória, distúrbios nervosos, ansiedade, depressão, abuso de substâncias e insônia. Além disso, os sintomas estavam presentes em todas as faixas etárias e em pacientes assintomáticos, isolados em quarentena domiciliar, e internados em hospitais.

Os resultados deste estudo mostram a gravidade das consequências a longo prazo da infecção pela covid-19. Numerosos relatos de névoa mental, transtorno de estresse pós-traumático, doença cardíaca, doença pulmonar e doença gastrointestinal têm sido divulgados pela mídia e intrigado cientistas nos últimos 12 meses, levantando a questão: Que efeito a covid-19 tem sobre o corpo muito depois de os sintomas agudos terem sido resolvidos?

Sou professor assistente de neurologia e neurocirurgia e não posso deixar de me perguntar o que aprendemos com a experiência anterior com outros vírus. Uma coisa em particular se destaca: as consequências da covid-19 nos acompanharão por um bom tempo.

Aprendendo com a história

Surtos de vírus anteriores, como a pandemia de gripe de 1918 e a epidemia de SARS de 2003, fornecem exemplos dos desafios esperados com a covid-19. E os efeitos de longo prazo de outras infecções virais ajudam a fornecer informações.

Vários outros vírus, incluindo a grande maioria dos que causam infecções respiratórias superiores e inferiores comuns, mostraram produzir sintomas crônicos como ansiedade, depressão, problemas de memória e fadiga. Os especialistas acreditam que esses sintomas provavelmente se devem a efeitos de longo prazo no sistema imunológico. Os vírus induzem o corpo a produzir uma resposta inflamatória persistente, resistente ao tratamento.

A encefalomielite miálgica , também conhecida como síndrome da fadiga crônica, é uma dessas doenças. Os pesquisadores acreditam que essa condição resulta da ativação contínua do sistema imunológico muito depois que a infecção inicial foi resolvida.

Em contraste com outras infecções virais, os sobreviventes de covid-19 no estudo relataram sintomas persistentes que duraram mais de seis meses, sem melhora significativa ao longo do tempo. A abundância de sintomas psiquiátricos também foi notável e provavelmente atribuível à infecção e à experiência relacionada à pandemia.

Esses achados estão levando os pesquisadores a elaborar hipóteses sobre os vários mecanismos, após a infecção aguda pela covid-19, que podem levar à covid longa ou persistente. Com o conhecido contexto histórico de sintomas crônicos que seguem outros vírus, médicos e pesquisadores podem ter um vislumbre do futuro da doença, com a possibilidade de criar terapias para aliviar os sintomas persistentes dos pacientes.

Quando a covid-19 realmente termina?

A covid-19 é conhecida atualmente por ser uma doença que afeta todos os sistemas de órgãos , incluindo o cérebro, pulmões, coração, rins e intestino.

Existem várias teorias sobre a causa dos sintomas crônicos e persistentes. As hipóteses incluem danos diretos aos órgãos causados ​​pelo vírus, ativação contínua do sistema imunológico após infecção aguda e partículas virais persistentes e duradouras que encontram abrigo seguro no corpo.

Até o momento, estudos de autópsia não confirmaram a presença ou superabundância de partículas relacionadas à covid-19 no cérebro , tornando as teorias imunológicas a causa mais provável de disfunção cerebral.

Alguns pacientes recuperados após a covid-19 detalham melhora significativa ou resolução de sintomas longos após a inoculação com a vacina contra a doença. Outros relatam melhora após um curto uso de esteróides. A explicação mais plausível para os efeitos diretos da covid longa no cérebro deve-se às suas conexões por todo o corpo e ao fato de ser uma doença que atinge múltiplos órgãos.

Esses achados podem apontar para uma causa imune direta da covid longa, embora ainda não existam respostas reais para definir a verdadeira causa e duração da doença.

O mundo pós-covid-19

Em fevereiro, o National Institutes of Health (NIH) anunciou uma nova iniciativa para estudar a covid longa, agora definida coletivamente como sequelas pós-agudas de SARS-CoV-2 . O NIH criou um fundo de US$ 1,15 bilhão para estudar esta nova doença. Os objetivos do estudo incluem a causa dos sintomas de longo prazo, o número de pessoas afetadas pela doença e as vulnerabilidades que levam à covid longa ou persistente.

Em minha opinião, os funcionários da saúde pública devem continuar a ser abertos e transparentes ao discutir os efeitos de curto e longo prazo da covid-19. A sociedade como um todo precisa da melhor informação possível para entender seus efeitos e resolver o problema.

A covid-19 permanece e continuará a ser um dos maiores problemas socioeconômicos em todo o mundo, à medida que começamos a reconhecer os verdadeiros impactos de longo prazo da doença. Tanto a comunidade científica quanto a de pesquisa devem continuar a ser diligentes na luta por muito tempo após o desaparecimento das infecções agudas. Ao que parece os efeitos crônicos da doença permanecerão conosco por algum tempo.

*Chris Robinson é professor assistente de Neurologia e Neurocirurgia da Universidade da Flórida.

Artigo original aqui


Leia também


Últimas notícias