Quarentena

‘Lockdown’ será obrigatório em São Paulo, aponta estudo da Unicamp

Caso o isolamento social não seja intensificado, estado contabilizará 53,5 mil novos casos de coronavírus por dia no final de junho

Glauco Faria
Apesar do novo rodízio em SP , o isolamento social chegou a 49%, nesta segunda (11) – apenas 1% a mais que a segunda-feira (4) anterior

São Paulo – Projeções feitas com um modelo matemático desenvolvido na pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) indica que, caso o isolamento social não seja significativamente intensificado, o estado de São Paulo chegará ao fim de junho com cerca de 53,5 mil novos casos de covid-19 por dia. O estudo aponta para a adoção de lockdown obrigatória e urgente – seria a única medida capaz de baixar a taxa de contágio no estado. No final de abril, quando foi realizado o levantamento, cada 100 paulistas infectados transmitiam o coronavírus para quase 150 pessoas, em média.

Renato Pedrosa, professor do Instituto de Geociências da Unicamp e coordenador da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), explica que as projeções ainda podem estar subestimadas, pois o nível de isolamento no estado vem caindo desde o início de abril.

“Os valores projetados indicam que ainda este mês (maio) o sistema público de saúde em São Paulo atingirá o limite, pois o nível de ocupação de leitos de UTI já está acima de 80%. Se o isolamento (voluntário) não for ampliado urgentemente, o estado terá de adotar medidas mais drásticas de contenção, como ocorreu na Itália, ou a situação se tornará insustentável”, afirmou Pedrosa.

Isolamento social

De acordo com os dados do governo de São Paulo, o isolamento social no estado está caindo semanalmente. No dia 21 de abril, 54% da população paulista ficou em casa. No último sábado (9), a taxa foi de 48%. O recomendado pela Organização Mundial da Saúde para conter a disseminação do novo coronavírus é de pelo menos 60%.

Ainda segundo Pedrosa, a população de São Paulo e o sistema de saúde do estado sentirão os reflexos dessa falta de isolamento “daqui a 15 ou 20 dias”, com o aumento no número de novos casos e depois, com a alta do número de óbitos. Desde ontem (11), a prefeitura de São Paulo adotou novo rodízio de carros.

Entretanto, apesar da restrição, o isolamento social foi de 49% – apenas 1% a mais que a segunda-feira (4) anterior. O novo método de rodízio de veículos passou a ser pelo final da placa – par ou ímpar –, com 24 horas de duração e válido em toda a cidade – não só no chamado centro expandido da capital.