vírus avança

Com 749 mortes em 24 horas, Brasil é o sexto país mais afetado pelo novo coronavírus

Número de mortos chegou a 13.149. Os casos confirmados são 188.947, com acréscimo de 11.385 doentes nas últimas 24 horas

Paulo Desana/Dabakuri/Amazônia Real
Brasil é o sexto grande polo da pandemia mundial à frente de países como Turquia, Alemanha, França, Irã e China

São Paulo – A pandemia do novo coronavírus segue em crescimento no Brasil, segundo boletim do Ministério da Saúde divulgado nesta quarta-feira (13). Nas últimas 24 horas, foram oficialmente registradas 749 mortes pela covid-19, doença provocada pelo vírus. Já são 13.149 óbitos desde o início do surto no país. Um mês atrás, no domingo de Páscoa, os mortos pela pandemia foram 99 e o total de vítimas era de 1.223.

Já o número acumulado de casos teve um crescimento expressivo de 11.385 novos contaminados no intervalo equivalente a um dia. Com isso, são 188.974 doentes no Brasil. Os números posicionam o país como o sexto grande polo da pandemia mundial, atrás de Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, Espanha e Itália.

A taxa de mortalidade está em 7% dos casos, acima da média global, de cerca de 2%. Esse percentual elevado pode ter relação com a falta de testes. O Brasil, proporcionalmente, realiza um número baixíssimo de testes da doença. Isso significa que, na prática, o país pode ter mais de 1 milhão de contaminados, de acordo com estudo da universidade de Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

O Sudeste concentra a maior parte dos casos e mortes. São 78.959 doentes na região, com 6.536 mortos. O epicentro, não apenas regional, mas em âmbito nacional, é São Paulo: são 51.097 doentes e 4.118 mortos no estado. Medidas de isolamento social implementadas pelo governo paulista ainda se mostram ineficientes. Com objetivo inicial de 70% na redução da circulação de pessoas, esse índice se mantém abaixo dos 50%. Hoje, a taxa ficou em 48% na capital e em 47% no interior e litoral somados.

Na sequência vem o Nordeste, com 61.769 infectados e 3.818 mortos. A região já tem cidades em quarentena mais radical, conhecida como lockdown. Fortaleza e São Luís são os maiores exemplos, com sistema de saúde que aponta para o colapso próximo. O Norte tem 34.088 infectados e 2.352 mortes. O Sul tem 8.741 doentes e 301 mortos. O local menos afetado é o Centro-Oeste, com 5.417 casos confirmados e 142 mortos.