Retrato

Educação básica: 80% dos professores consideraram abandonar a carreira

Baixos salários, falta de valorização e estímulo da carreira, indisciplina dos alunos e falta de reconhecimento da sociedade estão entre os principais motivos

Arquivo/Agência Brasil
Arquivo/Agência Brasil
Apesar do quadro desfavorável, a pesquisa revela que 53,6% dos entrevistados estão satisfeitos com a profissão

São Paulo – Pesquisa divulgada nesta quarta-feira (8) pelo Instituto Semesp mostra que oito em cada dez professores da educação básica já pensaram em desistir da carreira. Entre as principais razões estão o baixo retorno financeiro, a falta de reconhecimento profissional, a carga horária excessiva e a falta de interesse dos alunos.

Inédito, o levantamento Perfil e Desafios dos Professores da Educação Básica no Brasil é um espelho de grande parte da categoria a partir de entrevistas com 444 docentes das redes pública e privada, do ensino infantil ao médio, de todas as regiões do país. Do total de participantes, 68,7% trabalham na educação básica há mais de 10 anos. A sondagem é um recorte do 14º Mapa do Ensino Superior no Brasil editado pelo instituto mantido pelo sindicato das universidades privadas.

Segundo os dados, 79,4% dos professores já pensaram em desistir da carreira. Em relação ao futuro profissional, 67,6% se sentem inseguros, desanimados e frustrados.

Em geral, os professores participantes apontaram a falta:

  • valorização e estímulo da carreira (74,8%), disciplina e interesse dos alunos (62,8%);
  • apoio e reconhecimento da sociedade (61,3%);
  • envolvimento e participação das famílias dos alunos (59%).

O questionário incluiu questão sobre o valor médio da hora-aula. Metade deles professores (50,3%) recebe entre R$20,00 e R$50,00. Confira:

Foto: Perfil e Desafios dos Professores da Educação Básica no Brasil/Instituto Semesp

Mais da metade (55,1%) concluíram a graduação em uma instituição pública, enquanto que 29,6% em universidade particular, e outros 14% na rede privada, com benefício de bolsa de estudo. Há 1% de docentes ainda em fase de graduação.

Violência e agressão

Também chamou atenção na pesquisa que mais da metade (52,3%) afirmem ter sofrido algum tipo de violência no desempenho de sua atividade. As mais relatadas são:

  • agressão verbal (46,2%);
  • intimidação (23,1%);
  • assédio moral (17,1%).

Os entrevistados citaram também racismo e injúria racial, violência de gênero e até mesmo ameaças de agressão e de morte. E que alunos (44,3%), alunos e responsáveis (23%) e funcionários da escola (16,1%) praticam essas formas de violência.

Em meio a um quadro tão desfavorável, porém, a pesquisa revela que 53,6% dos entrevistados estão satisfeitos ou muito satisfeitos com a profissão.

Razões para seguir em frente:

  • interesse em ensinar e compartilhar conhecimento (59,7%);
  • satisfação de ver o progresso dos alunos (35,4%);
  • a própria vocação (30,9%).

Segundo o Censo Escolar 2023 do Ministério da Educaçao, o Brasil tem 2,35 milhões de professores ativos na educação básica.

Leia também:

Professores fazem assembleia nesta sexta pelo fim da contratação temporária

Redação: Cida de Oliveira



Leia também


Últimas notícias