Home Política Deputado vai ao STF contra votação de PEC da prisão após segunda instância
'PEC da Vingança'

Deputado vai ao STF contra votação de PEC da prisão após segunda instância

Paulo Teixeira diz que ataque a cláusula pétrea da Constituição se choca com decisão do Supremo e tem o intuito de tirar Lula da cena política
Publicado por Tiago Pereira, da RBA
13:05
Compartilhar:   
Reprodução/Câmara dos Deputados

Constituição não permite alterações para restringir ou abolir direitos e garantias individuais, destacou o deputado

São Paulo – O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) entrará com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) na próxima terça-feira (19) para solicitar, em caráter liminar, a suspensão da votação da proposta de emenda à Constituição (PEC) que pretende autorizar prisão após condenação em segunda instância. Segundo ele, a PEC é inconstitucional, pois pretende alterar cláusula pétrea da própria Constituição, à revelia do próprio Supremo, que decidiu na semana passada que o cumprimento antecipado de pena fere o princípio da presunção de inocência.

Os deputados debateram a matéria por mais de 12 horas, durante sessão da Comissão de Constituição de Justiça (CCJ). As discussões devem ser retomadas na semana que vem, já que o Congresso suspendeu as atividades nesta quarta (13) e quinta-feira (14), por causa da Cúpula do Brics, que ocorre em Brasília.

Segundo o deputado, além de tentar mudar cláusula pétrea, a PEC fere o artigo 60 da Constituição, que impede que sejam discutidas matérias que visem a restringir ou abolir direitos e garantias individuais, como é o caso da presunção da inocência. Ele também destacou que são inúmeros os casos em que a Defensoria Pública consegue reverter, no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no STF, decisões de primeira e segunda instância.

Ele criticou os deputados que “atacam a Constituição” baseados em entendimento “subjetivo, factual e momentâneo”, e disse que o motivo, “evidentemente”, é tirar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva do cenário político, mesmo motivo que o levou à prisão, após condenação pelo então juiz Sergio Moro, que virou ministro da Justiça do governo Bolsonaro.

“Quer juiz mais parcial que Sergio Moro? O The Intercept mostrou quanta falcatrua teve dentro da Lava Jato. Por isso querem atacar o STF, numa onda punitivista. Uma parte desses que querem atacar a Constituição tem como chefe uma pessoa altamente envolvida com crimes comuns, no Rio de Janeiro. Com milicianos, com o Queiroz. O porteiro disse que o motorista que foi buscar o matador da Marielle perguntou se poderia entrar na casa 58. Esses envolvidos em crime comum estão falando em impunidade no Brasil, querendo mudar a Constituição e atacando uma cláusula pétrea. São os mesmos que falaram que para fechar o STF basta um cabo e um soldado. Que defendem o AI-5″, afirmou Teixeira.

Direito de herança

O deputado Glauber Braga (Psol-RJ) também provocou os deputados que querem mudar o inciso 57 do artigo 5º da Constituição, que define a presunção de inocência. Ele citou outra cláusula pétrea presente no mesmo artigo que garante o direito de herança. “Pergunto então aos deputados que tem grandes fortunas: Podemos, então, abolir o inciso 30 que diz que é garantido o direito de herança? É cláusula pétrea”, provocou.

Ele também atribuiu a “onda punitivista” aos programas policialescos da TV que pretendem convencer a população de que todas as mazelas sociais podem ser resolvidas com prisão. “Esse tipo de programa é bom para eleger deputado da base bolsonarista. Para diminuir índice de violência, não vale absolutamente nada.”

Glauber destacou que esse tipo de proposta tem a finalidade de mexer com os ânimos da população para encobrir medidas impopulares, como foi o caso da “reforma” da Previdência e agora com as privatizações, que não encontram respaldo da maioria.