Home Política Irmã de vítima da ditadura diz que Bolsonaro não pode ser reconhecido como presidente
Estupidez sem limite

Irmã de vítima da ditadura diz que Bolsonaro não pode ser reconhecido como presidente

Presa e torturada pela ditadura, Rosalina Santa Cruz enfatiza que documentos da Aeronáutica desmascaram a versão de Bolsonaro
Publicado por Luciano Velleda, para a RBA
17:19
Compartilhar:   
Arquivo pessoal

Fernando Santa Cruz, o primeiro da esquerda, em foto de 1967. Documentos da Aeronáutica comprovam que ele foi vítima da ditadura que Bolsonaro tanto elogia

São Paulo — “Indignação” é o sentimento geral da família de Fernando Santa Cruz, desaparecido político vítima da ditadura e que nesta semana foi alvo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Rosalina, irmã de Fernando, e também ela vítima da ditadura, tendo sido presa e torturada, declarou que além da revolta os familiares ficaram surpreendidos pelo ataque cruel contra a memória do irmão e do filho dele, Felipe Santa Cruz, atual presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

“Acho que o presidente nem conhece o Estado que está governando, ou desgovernando. E trata uma questão de Estado, que envolve a família, com documentos, trata de uma forma dessas… Estamos indignados e até surpreendidos que ele fosse capaz de usar um fato de dor para atingir um adversário político, porque acho que ele considera o Felipe um adversário político e quer desqualificá-lo”, disse Rosalina, em entrevista à Rádio Brasil Atual

Ela inclusive cita a existência de documentos da Aeronáutica confirmando a prisão do irmão, e destaca que a família recebeu há pouco o atestado de óbito concedido pela Comissão Especial Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, na qual o Estado brasileiro reconhece a morte de Fernando Santa Cruz em decorrência da violência de agentes públicos. Para Rosalina, Bolsonaro não está à altura do cargo que ocupa. “Essa pessoa não pode nem ser reconhecida como presidente de uma nação que tem uma história republicana.”

Os documentos da Aeronáutica também mostram que o verdadeiro alvo era Jair Ferreira de Souza, uma das lideranças da Ação Popular, e com quem Fernando Santa Cruz tinha contato. “Ele era um militante da Ação Popular, isso nunca negamos, mas não era da direção, não era clandestino. Era um militante”, afirma a irmã. Ao ser preso e morto, Santa Cruz estudava Direito na Universidade Federal Fluminense (UFF), tinha residência fixa e era funcionário público no Departamento de Águas e Energia em São Paulo.

“O Fernando foi preso, tinha companheiros que ele podia encontrar, e resistiu não falando, dando a sua vida. O Fernando não teve nem processo aberto contra ele. Um jovem que deu a vida pensando numa pátria melhor, numa vida melhor para os brasileiros. É um absurdo, não podemos imaginar como esse senhor pode ser presidente da República”, lamenta Rosalina.

Ouça a entrevista completa