Home Política Flávio Bolsonaro tinha ‘organização criminosa’ em gabinete, diz MP
desvio de recursos

Flávio Bolsonaro tinha ‘organização criminosa’ em gabinete, diz MP

Senador e filho do presidente Jair Bolsonaro comprou 19 imóveis por R$ 9 milhões. Investigação aponta 'enriquecimento ilícito'
Publicado por Redação RBA
12:11
Compartilhar:   
TwitterWhatsappFacebook   18 mil pessoas curtiram isso.
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Flávio Bolsonaro

Flavio Bolsonaro vendeu apartamento em Copacabana com lucro de 292%, enquanto a região valorizou apenas 11%

São Paulo – A investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) mostra que o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) possuía uma “organização criminosa” dentro de seu gabinete. Segundo informações da revista Veja, o filho do presidente  fazia uma “clara divisão de tarefas” para desviar recursos públicos. Os promotores do caso ainda afirmam ainda que o ex-assessor de Flavio, Fabrício Queiroz tentou assumir a responsabilidade sozinho “para desviar o foco” do senador do PSL.

A reportagem mostra detalhes de um relatório do MP-RJ sobre indícios de lavagem de dinheiro por meio da compra e venda de imóveis. Entre 2010 e 2017, quando ainda era deputado estadual pelo Rio de Janeiro, Flávio investiu R$ 9,425 milhões na compra de 19 imóveis, entre salas e apartamentos, e lucrou R$ 3,089 milhões nessas transações imobiliárias. 

O relatório foi usado pelo MP para justificar à Justiça o pedido de quebra do sigilo bancário e fiscal de 95 pessoas e empresas relacionadas a Flávio Bolsonaro, inclusive ele mesmo. A investigação identificou “suspeitas de subfaturamento nas compras e superfaturamento nas vendas” dos imóveis.

Para o Ministério Público, o filho do presidente tentou “simular ganhos de capital fictícios” de modo a encobrir “o enriquecimento ilícito decorrente dos desvios de recursos” da Assembleia Legislativa do Rio. Em um dos exemplos de transições suspeitas citado pelo MP, está a compra, em 2012, de um apartamento em Copacabana por R$ 140 mil. O imóvel foi vendido, 15 meses depois,  por R$ 550 mil – o lucro, de 292%, não corresponde à valorização dos imóveis do bairro carioca que, segundo o Índice Fipezap, foi de 11%.

A quebra dos sigilos bancário e fiscal na investigação sobre Flávio também atinge ao menos cinco ex-assessores do presidente Jair Bolsonaro. Todos os eles trabalharam tanto no gabinete do pai, na Câmara dos Deputados, como no do filho, na Assembleia fluminense, de janeiro de 2007 a dezembro de 2018.