Você está aqui: Página Inicial / Política / 2011 / 08 / Em semana de audiências com ministros, Via Campesina cobra ações do governo

Em semana de audiências com ministros, Via Campesina cobra ações do governo

Nesta semana, cinco ministros receberam lideranças camponesas. Elas acreditam que faltam resultados práticos em áreas como agricultura e internet no campo
por raoniscan publicado 26/08/2011 11h36, última modificação 26/08/2011 16h07
Nesta semana, cinco ministros receberam lideranças camponesas. Elas acreditam que faltam resultados práticos em áreas como agricultura e internet no campo

Trabalhadores e trabalhadores rurais de 23 estado e do Distrito Federal fazem manifestação em Brasília (Foto: Wilson Dias / Agência Brasil)

São Paulo – O secretário geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, e a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, recebem, nesta sexta-feira (26), algumas lideranças dos trabalhadores rurais que mobilizaram a Via Campesina, em Brasília. A reunião servirá para o governo apresentar contrapartida às reivindicações apresentadas pelos camponeses, que concentraram 4 mil manifestantes acampados na capital federal, desde terça-feira (23).

Os integrantes dos movimentos sociais já foram recebidos por cinco ministros, entre eles o da Comunicações, Paulo Bernardo, da Agricultura, Mendes Ribeiro, além do ministro Gilberto Carvalho.

Os trabalhadores cobraram de Carvalho a defesa da reforma agrária, o fim do fator previdenciário, a redução da jornada de trabalho, a aplicação do equivalente a 10% do Produto Interno Bruto (PIB) na educação pública, além de denunciarem remoções e despejos devido as grandes obras. O secretário-geral assegurou que irá encaminhar as reivindicações à presidenta Dilma Rousseff.

Do ministro Mendes Ribeiro, foi cobrado o fortalecimento do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) maior apoio do ministério ao cooperativismo e estruturação de uma política de pesquisa e transferência de tecnologia da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para a agricultura familiar e de assentamentos.

Mendes Ribeiro garantiu que o ministério analisará todas as reivindicações. “Política agrícola tem que atender quem nada tem. Temos que aumentar a renda de quem trabalha no campo”, afirmou. Em sua primeira semana como titular da pasta, ele manteve o tom de cordialidade. A Agricultura é considerada pelo movimento de camponeses como uma representação dos interesses do agronegócio.

Em relação à comunicação, os camponeses reivindicaram a universalização e expansão até o campo do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), a implantação de casas digital nos assentamentos, e a construção de rádios comunitárias nas comunidades rurais. As solicitações foram ouvidas pelo ministro Paulo Bernardo, que garantiu dar andamento a todas.

Mesmo com o bom trânsito no governo, os manifestantes reclamaram da falta de ações práticas até o momento. “Temos tido boas reuniões com o governo. A questão é que o diálogo não tem sido traduzido em ação. Essa é nossa insatisfação, essa é nossa indignação. O governo precisa transformar o diálogo em ação concreta para resolver”, disse o coordenador do Movimento Sem Terra (MST), Valdir Misnerovicz.

Mesmo com a falta de ações práticas do executivo, a coordenadora de comunicação do MST, Solange Inês, deu a fórmula para se conquistar os avanços. “A única forma (de avançar) é fazer luta, pressionar, ir para as ruas, fazer mobilizações, se a gente for embora sem nenhuma conquista é complicado para os movimentos sociais”, explicou a coordenadora.