Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2018 / 06 / Jornalista do EUA chora ao vivo ao noticiar crianças imigrantes separadas dos pais

Drama da imigração

Jornalista do EUA chora ao vivo ao noticiar crianças imigrantes separadas dos pais

Apresentadora da MSNBC não conteve a emoção, e teve de chamar outro repórter para continuar a transmissão. Pelas redes sociais, cena foi classificada como "ato de humanidade"
por Redação RBA publicado 20/06/2018 14h24, última modificação 20/06/2018 14h32
Apresentadora da MSNBC não conteve a emoção, e teve de chamar outro repórter para continuar a transmissão. Pelas redes sociais, cena foi classificada como "ato de humanidade"
Reprodução/MSNBC
Rachel Maddow

Com a voz embargada, Rachel ainda tentou ler notícia sobre "bebês e crianças pequenas" mandadas para abrigos

São Paulo – A jornalista norte-americana Rachel Maddow não conseguiu conter a emoção ao noticiar o caso crianças imigrantes que estão sendo separadas dos pais, devido à chamada política de tolerância zero contra a imigração ilegal decretadas pela administração Trump nos últimos meses. "É inacreditável", disse Maddow, antes de começar a ler nota da agência Associated Press, em programa que foi ao ar pela rede MSNBC nesta terça-feira (19). Com a voz embargada, ela ainda insistiu na leitura da notícia sobre "bebês e crianças pequenas" que são enviadas para "jaulas" instaladas num galpão onde funcionava um antigo supermercado no sul do estado do Texas. 

De acordo com informações de agências internacionais, as condições são as piores possíveis. Sem camas, as crianças ficam em sacos de dormir, com luzes acessas 24 horas por dia, alimentadas apenas com salgadinhos e água. Desde abril, cerca de 2.300 crianças foram separadas dos pais, que por sua vez são enviados a um centro de detenções e tratados como criminosos por entrar no país ilegalmente. 

Pela rede social Twitter, Rachel se desculpou com os telespectadores, alegando fazer parte do seu trabalho "ser capaz de falar enquanto está na TV". Contudo, a cena foi percebida mais como ato de "humanidade" por parte da maioria dos internautas e telespectadores, que manifestaram apoio à apresentadora.