elite paulistana

Bia Doria afirma que pessoas moram nas ruas ‘porque gostam’

Bia Doria, esposa do governador João Doria, disse que “as pessoas gostam de ficar na rua (…) elas têm que se conscientizar e sair dessa situação”

reprodução
"Inacreditável que se chegue a tanto escárnio", declarou o padre Júlio Lancellotti, que trabalha com o amparo dessa população vulnerável

São Paulo – A primeira-dama do estado de São Paulo, Bia Doria, disse que a população de rua está nesta situação porque gosta. A esposa do governador, João Doria (PSDB), ainda disse que não se deve ajudar essas pessoas com marmitas, porque elas se acomodam. “É um atrativo”, disse.

“As pessoas gostam de ficar na rua (…) elas têm que se conscientizar e sair dessa situação”, disse, em conversa com a socialite Val Marchiori. O vídeo foi gravado do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo. A fala de Bia Doria provocou ampla rejeição dos mais diversos setores da sociedade, incluindo a Pastoral Povo da Rua, além de lideranças políticas.

“Inacreditável que se chegue a tanto escárnio”, declarou o padre Júlio Lancellotti, que trabalha com o amparo dessa população vulnerável.

O perfil oficial do Psol no Twitter também se manifestou: “Assim pensa a elite brasileira. Bia Doria, primeira-dama de São Paulo, defende não dar comida a pessoas sem-teto. Nojento e repugnante”.

Revolta

O vereador da capital Eduardo Suplicy (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal, fez um convite à primeira-dama, para que ela participe de uma audiência pública na segunda-feira (6), que discutirá assistência às pessoas em situação de rua.

“As afirmações chocam pela falta de sensibilidade e de conhecimento sobre a população em situação de rua. Além de esposa do governador João Doria, a senhora preside o Fundo Social, entidade destinada a instituir programas sociais destinados a atender pessoas em situação de vulnerabilidade social”, disse Suplicy.

Corrupção da alma

O economista Eduardo Moreira fez coro às críticas e comparou ao pensamento da equipe econômica do governo federal. “O vídeo de Bia Doria vem do mesmo lugar das falas de Paulo Guedes (ministro da Economia) que ridicularizam a solidariedade e a compaixão. Falas perversas, maldosas e amorais… Aos que tanto culpam a corrupção como o que nos trouxe até aqui, eis a verdadeira corrupção. A da alma”, disse.

A deputada federal Erika Kokay (PT-DF) seguiu na mesma linha. “O diálogo da Bia Doria e Val Marchiori mostra de forma crua como pensa a elite brasileira. Uma elite que arranca direitos, vive de privilégios e adora falar em meritocracia. Pobreza não é escolha, viver em situação de rua não é um atrativo. Nojo!”, disse.

Em resposta, Bia Doria se disse “tranquila” e afirmou que sua fala foi “tirada de contexto”. E que, na verdade, ela queria estimular as pessoas a irem para abrigos públicos.

Assista ao vídeo (se tiver estômago):