Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 11 / Em SP, Kassab defende aumento de 95% em seu salário

Em SP, Kassab defende aumento de 95% em seu salário

Salários de secretários podem subir de R$ 5.504 para R$ 21.705
por Redação da RBA publicado , última modificação 03/11/2010 15h52
Salários de secretários podem subir de R$ 5.504 para R$ 21.705

São Paulo - O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), defendeu nesta quarta-feira (3), aumento em seu salário e no de secretários municipais da capital paulista. "É uma questão de reajustar a prefeitura à realidade", afirmou o prefeito. A declaração foi feita durante anúncio da operação da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) para o GP Brasil de Fórmula 1. Para Kassab, com salários melhores, a equipe de secretários poderá gerir melhor o orçamento destinado às ações públicas da cidade.

Os vereadores de São Paulo discutem o projeto de lei nº 712/09, de autoria da Mesa Diretora da Casa, que prevê aumentar o subsídio mensal do prefeito, vice-prefeita e secretários municipais. Se o reajuste for aprovado pelo Legislativo, a remuneração de Kassab passaria de R$ 12.384 para R$ 24.117, reajuste de 95%, e a dos secretários de R$ 5.504 para R$ 21.705, o equivalente a 283% de aumento. O projeto já foi apresentado em 2009, mas não tramitou. À época, prefeitura e Câmara dos Vereadores tinham de lidar com a impopularidade da aprovação da correção da tabela do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

Nesta quarta-feira, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa emitiu parecer de legalidade ao projeto.  “A Mesa Diretora tem obrigação constitucional de estabelecer esse teto para que, a partir deste valor, nenhum funcionário possa receber mais”, informou o vereador Celso Jatene (PTB), durante a sessão. O vereador Gilberto Natalini (PSDB), membro da CCJ, declarou que seu voto é estritamente em relação à legalidade do projeto. “A bancada do PSDB ainda não decidiu quanto ao mérito”, afirmou.

João Antonio, líder do PT na Câmara, também votou pela legalidade do projeto, mas garantiu que é absolutamente contrário ao mérito da propositura. “É um aumento inoportuno”, justificou.