Mudança

Freixo anuncia saída do Psol e filiação ao PSB para concorrer ao governo do Rio

Deputado Marcelo Freixo estava no Psol desde a sua fundação, há 16 anos e mudança de partido mira candidatura para o governo do Rio de Janeiro

Reprodução
Na última quinta-feira (10), encontro no Rio reuniu lideranças do campo progressista para falar sobre a situação do estado

Brasil de Fato – O deputado federal Marcelo Freixo anunciou na manhã desta sexta-feira (11) pelo Twitter a sua saída do Partido Socialismo e Liberdade (Psol) após 16 anos. O parlamentar, que estava no Psol desde a sua fundação, irá se filiar ao Partido Socialista Brasileiro (PSB) mirando o governo do estado do Rio de Janeiro nas eleições de 2022. “Hoje encerro esse ciclo com a certeza de que apesar de não estarmos juntos daqui para frente no mesmo partido seguiremos na mesma trincheira de defesa da vida, da democracia e dos direitos do povo brasileiro”, escreveu. 

O anúncio da ida de Freixo para o PSB ocorre um dia depois de encontro no Rio de Janeiro que reuniu nomes como Lula (PT), os deputados federais Jandira Feghali (PCdoB -RJ) e Alessandro Molon (PSB-RJ), o deputado estadual André Ceciliano (PT), além da presidenta do Partido dos Trabalhadores e deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR).

:: Para Chico Buarque, o golpe se aproxima. ‘Algum pretexto vai ser usado para fecharem de vez’ ::

Em entrevista publicada na edição desta semana da Veja, Freixo explica que no PSB terá a possibilidade de construir uma aliança mais ampla para derrotar o bolsonarismo e proteger a democracia. Na avaliação do deputado, o Rio é um local chave para as próximas eleições. “A disputa no Rio, especialmente, não é da direita contra a esquerda, mas da civilização contra a barbárie. O Psol estará conosco mas, sem dúvida, teria mais dificuldade de fazer uma frente tão abrangente quanto se faz necessária”, disse à revista. 

Para o deputado, nas eleições do próximo ano o que estará em jogo é a Constituição. “As eleições de 2022 serão um plebiscito nacional sobre a Constituição de 1988, se ela ainda valerá no Brasil. Por isso nós democratas não temos o direito de errar: do outro lado está a barbárie da fome, da morte e da devastação”, disse no Twitter.