ABC Paulista

Prefeito de Santo André é alvo de críticas em debate: ‘Muito marketing, pouca ação’

Bruno Daniel (Psol) acusou o atual prefeito, Paulo Serra (PSDB) de usar a distribuição de merenda para conseguir votos. Programa Moeda Verde também foi alvo de ataques

Reprodução/TVT
Candidato à reeleição, a gestão de Paulo Serra (PSDB) foi alvo de todos os competidores

São Paulo – Os candidatos que disputam a prefeitura de Santo André, no ABC Paulista, centraram críticas, em debate, ao atual ocupante do posto, Paulo Serra (PSDB). Bruno Daniel (Psol) disse que vai pedir a cassação da chapa de Serra, por suposto abuso de poder econômico. Segundo o adversário, o atual prefeito teria usado um programa de distribuição de alimentos para pedir votos. No debate, na noite de quarta-feira (4), a vereadora Professora Bete Siraque (PT), o ex-secretário Ailton Lima (PSB) e Sargento Lobo (Patriota) acusaram a atual gestão de fazer propaganda de projetos com impactos reduzidos, segundo eles.

Com transmissão da TVT e Rádio Brasil Atual, o evento foi realizado na Universidade Federal do ABC, em parceria com o portal Uol, e o jornal Diário do Grande ABC.

“Se fizermos uma avaliação da gestão atual, tem muito marketing, muito outdoor, mas não tem política pública, de fato, na geração de trabalho e renda”, disse a Professora Bete. “Quando vi que era um governo que ia ficar apenas no outdoor, tive a coragem de sair”, disparou Ailton, que foi secretário de Desenvolvimento Econômico por um ano e dois meses na prefeitura de Paulo Serra.

A polêmica se deu em torno do programa Moeda Verde, em que o cidadão pode trocar materiais recicláveis por alimentos. Segundo Serra, foram cerca de 70 toneladas de alimentos distribuídos e 400 toneladas de materiais coletados. “Lembro do seu outdoor com a pessoa recebendo uma sacolinha com beterraba, batata e um maço de alface. O andreense merece muito mais”, disse Lobo. Ailton chamou de “cabresto da miséria” o programa de distribuição de alimentos.

Denúncia

A denúncia do candidato Bruno Daniel, irmão do ex-prefeito Celso Daniel – assassinado em 2002 – também envolveu a distribuição de alimentos. Ele denunciou “o uso da máquina pública” em função de o prefeito ter realizado um evento de promoção do programa Merenda em Casa.

Serra contudo, se defendeu, alegando disciplina no cumprimento da legislação. “Que o Psol não use a própria régua para nos medir”, contra-atacou, no debate dos candidatos à prefeitura de Santo André.

Emprego

O desenvolvimento econômico do município foi outro tema muito citado durante o debate. Tradicional polo da indústria metalúrgica, a cidade vem sofrendo com o processo de “desindustrialização”, segundo Ailton. Ele também prometeu conceder “incentivos ficais” para transformar Santo André numa “cidade inteligente”.

O atual prefeito destacou a criação de empregos no Parque Tecnológico, com investimentos privados da ordem de R$ 1,5 bilhão. No entanto, os demais candidatos ressaltaram que a proposta ainda não saiu efetivamente do papel.

“A ideia é criar um círculo virtuoso, implantando, de fato, o Parque Tecnológico, com cooperativas públicas na área da saúde, do meio ambiente”, afirmou a professora Bete. “Santo André está um pouco paralisada na questão do desenvolvimento econômico”, disse o ex-prefeito João Avamileno (Solidariedade).

Saúde e educação

Na área da saúde, Ailton ressaltou a prevenção e prometeu colocar médicos “de casa em casa”. A professora Bete destacou “déficit” na realização de exames e na entrega de remédios, e prometeu ampliar as equipes do Programa Saúde da Família (PSF). Para Avamileno, a saúde municipal piorou “no último período”. Por outro lado, Paulo Serra destacou o programa Qualisaúde, que modernizou, segundo ele, 22 unidades de atendimento durante a sua gestão.

Na educação, o prefeito prometeu zerar a fila das creches “até o fim do ano”. Ele também destacou que oito unidades foram entregues e outras duas estão sendo construídas para atender as crianças. Contudo, a professora Bete Siraque lembrou que o convênio com o governo federal para a construção dessas dez creches foi estabelecido ainda na gestão anterior, do prefeito Carlos Grana (PT). Avamileno também prometeu “zerar” a fila das creches. Além disso, se comprometeu com a criação de um portal com “videoaulas”, a construção de dois centros de formação profissional e a expansão das aulas no período noturno.

Confira a íntegra do debate de Santo André


Leia também


Últimas notícias