Eleições 2020

Datafolha em São Paulo: Russomanno cai, Covas lidera e Boulos sobe

Prefeito agora aparece na frente, mas em situação de empate técnico. Pesquisa espontânea mostra três empatados

Reprodução/]Montagem RBA
Covas, Russomanno, Boulos, França: disputa no maior colégio eleitoral do país se acirra

São Paulo – O atual prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), ultrapassou Celso Russomanno (Republicanos) na disputa eleitoral, segundo pesquisa do Datafolha divulgada no início da noite desta quinta-feira (22). Mas a situação configura empate técnico: Covas agora tem 23% e o deputado, que perdeu sete pontos, está com 20%.

Quem também mostra tendência de crescimento é Guilherme Boulos (Psol), que foi para 14%, em terceiro lugar. Márcio França está perto, em novo possível empate técnico, com 10%.

A pesquisa espontânea (em que nenhum nome é apresentado ao entrevistado) mostra três candidatos praticamente empatados: Covas (13%), Russomanno e Boulos (11% cada). França tem 5%.

Russomanno despenca

Na pesquisa anterior, divulgada no dia 8, Russomanno aparecia com 27% e Covas, com 21%. Boulos era o terceiro, com 12%, e França tinha 8%. Em 24 de setembro, ainda segundo o Datafolha, esses percentuais eram de 29%, 20%, 9% e 8%, respectivamente.

Jilmar Tatto, do PT, também cresceu, e foi de 1% para 4% das intenções de voto. Está junto com Arthur do Val – Mamãe Falei (Patriota). Em seguida, Joice Hasselmann (PSL) tem 3% e Andrea Matarazzo (PSD), 2%. Com 1%, estão Levy Fidelix (PRTB), Marina Helou (Rede), Orlando Silva (PCdoB) e Vera Lúcia (PSTU). Antonio Carlos Silva (PCO) e Filipe Sabará (que acaba de ser expulso do Novo) não atingiram 1%. Outros 13% responderam nenhum, branco ou nulo. E 3% não sabem.

Russomanno lidera entre os mais rejeitados: 38% não votariam nele de jeito nenhum. Depois aparecem Joice Hasselmann (33%), Levy Fidelix (26%), Covas (25%), Boulos (24%) e Tatto (23%).

A pesquisa do Datafolha para a eleição em São Paulo foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo. Segundo o instituto, foram ouvidos 1.204 eleitores, entre terça-feira (20) e ontem (21). A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos.


Leia também


Últimas notícias