Home Política TSE denuncia quatro empresas por disparos no WhatsApp nas eleições de 2018
investigação

TSE denuncia quatro empresas por disparos no WhatsApp nas eleições de 2018

Aplicativo já admitiu uso de envios de mensagens em massa a partir de sistemas automatizados contra a campanha do candidato Fernando Haddad
Publicado por Felipe Mascari
14:38
Compartilhar:   
REPRODUÇÃO

Em outubro, o próprio WhatsApp admitiu que a eleição brasileira de 2018 teve uso de envios de mensagens e massa, com sistemas automatizados contratados de empresas

São Paulo – A Corregedoria-Geral da Justiça Eleitoral recebeu de seis operadoras de telefonia informações sobre quatro empresas que teriam sido contratadas, durante a campanha eleitoral de 2018, para disparar mensagens em massa pelo WhatsApp contra o candidato à Presidência Fernando Haddad (PT). De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as empresas denunciadas – juntamente com seus respectivos sócios – foram Quick Mobile Desenvolvimento e Serviços, Yacows Desenvolvimento de Software, Croc Services Soluções de Informática e SMSMarket Soluções Inteligentes.

O próprio WhatsApp admitiu neste mês que a eleição brasileira de 2018 teve uso de envios de mensagens em massa a partir de  sistemas automatizados de empresas especializadas. A informação foi dada pelo gerente de políticas públicas e eleições globais do aplicativo.

No ano passado, o jornal Folha de S.Paulo revelou a contratação durante a campanha eleitoral de empresas de marketing que faziam envios em massa de mensagens políticas, usando de forma fraudulenta CPFs de idosos e até contratando agências estrangeiras. O conteúdo das mensagens disparadas eram de fake news contra o candidato Haddad, principal adversário de Bolsonaro.

Já neste ano, o espanhol Luis Novoa, dono da Enviawhatsapps, confirmou que empresários brasileiros contrataram sua agência para fazer disparos de mensagens em massa, pelo Whatsapp, em favor do então candidato Bolsonaro durante a campanha de 2018. Em gravação obtida também pelo jornal Folha de S.Paulo, Novoa afirma que só foi perceber o uso político do contrato quando algumas linhas telefônicas utilizadas passaram a ser cortadas pelo aplicativo de mensagens.

À época, cada contrato de “pacote de mensagens” podia custar até R$ 12 milhões. A rede de lojas Havan, de Luciano Hang, estaria entre as empresas envolvidas no escândalo, que ficou conhecido como “caixa 2 do Bolsonaro”. A legislação eleitoral brasileira proíbe empresários de fazer doações para campanhas políticas.