Home Política Trabalhadores e estudantes saem às ruas em defesa da educação e da soberania

Trabalhadores e estudantes saem às ruas em defesa da educação e da soberania

UNE, FUP e movimentos sociais protestam contra venda de estatais e os cortes na educação que atingem as universidades e bolsas de pesquisa
Publicado por Tiago Pereira, da RBA
16:45
Compartilhar:   
@kboughoff/UJS

Manifestações também marcam o aniversário de 66 anos da Petrobras

São Paulo – Contra os cortes na educação do governo Bolsonaro e as ameaças de privatização de empresas públicas, estudantes e trabalhadores saem às ruas em diversas capitais e cidades do país nesta quarta-feira (3). Pela manhã, eles realizaram juntos uma caminhada entre a refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar) e a Fábrica de Fertilizantes do Paraná (Fafen-PR), que ficam em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, ambas na mira para serem privatizadas. As manifestações também marcam os 66 anos da Petrobras.

Os petroleiros também apoiaram a manifestação dos estudantes em Fortaleza. Eles se reuniram na reitoria da Universidade Federal do Ceará (UFC) e caminharam pelas ruas da capital. Também foram registrados atos em Salvador, Manaus, Teresina e Campo Grande. O programa Future-se, que prevê a participação do capital privado nas universidades, foi alvo dos protestos.

Durante a tarde, estudantes e petroleiros também devem realizar manifestações em São Paulo, Rio de Janeiro, e diversas outras capitais. Um dos atos principais vai ocorrer em Curitiba, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é mantido como preso político da Lava Jato desde abril de 2018. Segundo os petroleiros, Lula foi o principal responsável pelos investimentos que fortaleceram a estatal nos últimos anos e possibilitaram a descoberta do pré-sal.

“Não estamos falando só de desemprego nas estatais e, sim, em toda a cadeira produtiva, além de riscos de acidentes e piora na prestação dos serviços, pois as empresas privadas só visam o lucro e a alta nos preços. Hoje, o brasileiro já paga caro pelos combustíveis, nossa gasolina é a segunda mais cara do mundo porque a política de preços é gerenciada pelo mercado internacional”, afirmou o coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP), José Maria Rangel.

O presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Iago Montalvão, destacou a importância dos royalties do pré-sal para a Educação e as ameaças a esses investimentos representada pelas sucessivas tentativas de esvaziamento do modelo de partilha, que garante participação mínima de 30% da Petrobras nos consórcios de exploração do pré-sal, e a aplicação dos recursos num fundo social para serem investidos em educação (75%) e saúde (25%). Também participam das manifestações os integrantes da Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE).

“Atualmente a mudança no regime de exploração dos royalties ainda é uma preocupação porque impacta diretamente no que foi aprovado pelo Plano Nacional de Educação (PNE) para o financiamento de 10% do PIB para a educação. Se for realmente retirada a preferência da Petrobras na operação dos campos do pré-sal, automaticamente estamos colocando em risco o controle do governo brasileiro sobre a exploração, o que pode gerar sonegação de dados públicos e redução dos recursos para o Fundo”, afirma Montalvão. Os estudantes cobram ainda a liberação de R$ 3,8 bilhões do orçamento da educação para o ano de 2018 e a manutenção das bolsas de pesquisa, entre outras reivindicações.

No Rio de Janeiro, a mobilização dos petroleiros será em frente às sedes da Petrobras e Eletrobras, no central da capital, a partir das 16h. De lá, eles se encontram com os estudantes na Avenida Presidente Vargas, também no centro. Em Curitiba, os manifestantes se concentram na Praça Santos Andrade, na região central, a partir das 17h, de onde sairão em passeata. Em São Paulo, os manifestantes se concentram a partir das 17h na Avenida Paulista, em frente ao Masp, na Avenida Paulista, com caminhada prevista até a Praça da República.

registrado em: , , ,