Home Política Com ‘Nocaute no Jornal Nacional’, Malfitani faz releitura do telejornal da Globo
desconstruindo

Com ‘Nocaute no Jornal Nacional’, Malfitani faz releitura do telejornal da Globo

Sociólogo, jornalista e publicitário Chico Malfitani pretende mostrar como a Globo utiliza seu principal produto para moldar opinião pública
Publicado por Rodrigo Gomes, da RBA
12:20
Compartilhar:   
RBA

O Jornal Nacional é o ícone do poderio jornalístico da TV Globo, líder de audiência desde 1971, questionado pelo Nocaute

São Paulo – “A ideia é mostrar para você, na lata, como é que o Jornal Nacional usa toda a sua técnica, sua competência, para muitas vezes distorcer fatos, mostrar só um lado da história e omitir outros fatos que seriam muito importantes para ser do conhecimento da população brasileira.” Assim o jornalista e publicitário Chico Malfitani, do site Nocaute, apresenta a iniciativa Nocaute no Jornal Nacional, para analisar o conteúdo diário do principal telejornal da TV Globo, que está completando 50 anos. O primeiro episódio, que foi ao ar ontem (30), pode ser assistido nas redes do blog.

Segundo o escritor e jornalista Fernando Morais, fundador do Nocaute, a ideia é realmente desafiar o poder de comunicação da Globo. “A Globo tem 110 repetidoras, o que faz com que o Jornal Nacional fale todas as noites com 100 milhões de brasileiros. É aí que mora o perigo. Nós estamos entrando numa briga de cachorro grande, eu sei, mas nós estamos aqui para isso mesmo”, afirmou. “Toda vez que o Willian Bonner disser ‘boa noite’, nós entraremos no ar ao vivo, com o experiente jornalista Chico Malfitani, apontando as manipulações que o Jornal Nacional utiliza para fazer a cabeça dos brasileiros”, completou.

A iniciativa também marca o aniversário de dois anos do Nocaute.

No primeiro programa, Mafitani lembrou de momentos graves de manipulação feita pela Globo no Jornal Nacional, como o debate entre os ex-presidentes e então candidatos Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Collor de Mello na disputa eleitoral de 1989. Ou como nunca foram colocadas vozes críticas à lei do Teto de Gastos, à “reforma” trabalhista ou à da Previdência no jornal.

Uma das primeiras análises de Malfitani mostra a tragédia de Brumadinho, ocorrida há oito meses. “O Jornal Nacional sempre foi pródigo em criticar tudo que é público. Mas nunca critica a Vale, que foi privatizada a preço de banana e hoje ganha lucros imensos exportando os minérios, o ouro, de Minas Gerais. E para o povo ficou a tragédia. Não critica nunca a incompetência da iniciativa privada, em não prever e não evitar aquela tragédia”, afirmou.

Assista ao primeiro Nocaute no JN