Home Política Lava Jato precisa ser encerrada em nome da democracia, defende professor da FGV
Operação criminosa

Lava Jato precisa ser encerrada em nome da democracia, defende professor da FGV

Francisco Fonseca afirma que Moro e procuradores da Lava Jato montaram um Estado dentro do Estado e devem ser punidos pelos crimes em série revelados pela Vaza Jato
Publicado por Tiago Pereira, da RBA
11:20
Compartilhar:   
Reprodução

"Não tem conversa": Moro e Dallagnol são "criminosos" e devem ser presos, segundo analista

São Paulo – Para o analista político Francisco Fonseca, professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP) e da Fundação Getulio Vargas (FGV-SP), a Operação Lava Jato precisa ser encerrada, em nome da própria democracia. Após as últimas revelações trazidas pela Vaza Jato, de que os procuradores teriam ignorado delação do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ) que envolveriam até o ex-presidente Michel Temer (MDB-SP), ele diz que não é possível separar o joio do trigo em relação às ações da República de Curitiba.

“O joio e o trigo estão de tal maneira misturados que a operação tem que ser encerrada. Se o Brasil quiser ser minimamente democrático, a Lava Jato precisa ser encerrada. E todos que participaram desse conluio criminoso precisam ser processados e expulsos dessas corporações. Mais ainda, precisam ser presos. Sergio Moro e Deltan Dallagnol são criminosos. Não tem conversa. Cometeram crime de lesa-pátria. Entregaram o Brasil”, disse Fonseca, em entrevista aos jornalistas Marilu Cabanãs e Glauco Faria para o Jornal Brasil Atual desta terça-feira (10).

A teia montada por procuradores e setores do Judiciário atenderia a interesses estrangeiros para desmontar a Petrobras e as empresas do setor de infraestrutura do país. “Não é teoria, é pura conspiração.”

Agonia

Segundo o professor, a nova denúncia da Lava Jato contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que inclui o seu irmão Frei Chico, demonstram que a operação encontra-se em sua fase de “agonia”, desesperada para produzir um novo “fato político” para se contrapor à maré de ilegalidades que vem sendo revelada pela Vaza Jato. Outra ação que revela desespero foi a tentativa de transferir Lula para um presídio comum no interior paulista. Ele destaca que essas ações hoje são repudiadas pela comunidade jurídica internacional.

“Toda a comunidade jurídica internacional entende a Lava Jato como um estado de exceção, totalmente incabível numa democracia”, afirmou Fonseca. Ele também ressaltou que Lula é o principal preso político no mundo hoje, ecoando declaração do intelectual norte-americano Noam Chomsky. Francisco diz que não haverá democracia no país enquanto o ex-presidente Lula não for libertado, e que o Supremo Tribunal Federal (STF) tome providências em relação à Lava Jato, aos procuradores do MPF em Curitiba e ao agora ministro de Bolsonaro, Sergio Moro.

Ouça a entrevista completa