Home Política Presidente do PDT diz que “conluio” entre Moro e Ministério Público não pode ficar impune
"Russo" e o MP

Presidente do PDT diz que “conluio” entre Moro e Ministério Público não pode ficar impune

Carlos Lupi destaca que Moro e Dallagnol não contestaram a veracidade das mensagens reveladas pelo The Intercept Brasil. E deputado federal do PT alerta que, mesmo assim, "farão de tudo" para impedir a libertação de Lula
Publicado por Luciano Velleda, para a RBA
19:35
Compartilhar:   
Arquivo/Agência Brasil

Enquanto os defensores de Moro no Congresso estão “calados”, deputados e senadores se articulam para abrir uma CPI e investigar os fatos revelados pelo The Intercept Brasil

São Paulo – A repercussão dentro do Congresso Nacional das mensagens trocadas entre integrantes da Lava Jato e o ex-juiz e atual ministro Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, é intensa. Segundo Carlos Lupi, presidente nacional do PDT, a bancada do partido na Câmara dos Deputados e no Senado está propondo uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) Mista para ter acesso às informações.

“A sociedade brasileira exige a transparência de todos os fatos, senão vai ficar a impressão de que tudo foi uma grande armação”, afirma, em entrevista ao jornalista Rafael Garcia, na Rádio Brasil Atual.

Lupi destaca que nem Moro, tampouco o procurador Deltan Dallagnol, contestaram  a veracidade do conteúdo das mensagens reveladas pelo The Intercept Brasil, as quais, segundo ele, mostram um “conluio” entre ambos. “Não pode ficar impune a ação de um juiz, em conluio com o Ministério Público, para tramar uma decisão da Justiça.”

O presidente nacional do PDT enfatiza que o caso já tem repercussão mundial. Para ele, a decisão mais coerente do STF, neste momento, seria libertar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e aprofundar a investigação. “Nessa sociedade não existe santo. Todos são passíveis a erros, e os erros de qualquer um de nós têm que ter responsabilidade civil e criminal”, afirma.

Ouça a entrevista na íntegra

Sem ilusão

O deputado federal Carlos Zaratini (PT-SP) disse, nesta segunda-feira (10), que os tradicionais defensores de Moro no Congresso Nacional estão “calados”, enquanto parlamentares se articulam para investigar os fatos revelados.

Para ele, o processo que levou à prisão de Lula deveria ser anulado pelo STF diante das inúmeras irregularidades constatadas e já denunciadas. Por outro lado, diz que não deve haver ilusão, pois está em curso uma “operação política cujo objetivo foi afastar Lula da campanha eleitoral”.

Zaratini avalia que diante de um governo tão fraco como tem sido o Bolsonaro, a liberdade de Lula seria um grande reforço para a oposição. “Essas forças vão fazer de tudo para impedir que isso ocorra”, afirma, também em entrevista ao jornalista Rafael Garcia, na Rádio Brasil Atual. Ainda assim, reforça que a libertação do ex-presidente será exigida.

“É um governo fraco e que depende também de Sergio Moro, de certa forma, e que não tem a menor condição de governar o país, mas vai se mantendo. Pode ser que tente manter Moro até para se preservar”, diz.

Ouça a íntegra da entrevista