Home Política Marco Aurélio diz que Moro colocou em dúvida ‘equidistância da Justiça’
sem transparência

Marco Aurélio diz que Moro colocou em dúvida ‘equidistância da Justiça’

Ministro do STF defende transparência na relação entre procurador e juiz. Já sociólogo afirma que Lula não foi julgado dentro da normalidade
Publicado por Felipe Mascari
13:36
Compartilhar:   
Marcos Corrêa/PR

Advogados vão ao Conselho Nacional de Justiça e transforme a aposentadoria de Moro em demissão, para que o ex-juiz perca o direito a vencimentos da magistratura

São Paulo –  O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello disse que a troca de mensagens entre o ex-juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol coloca em dúvida a “equidistância” da Justiça. Mello ainda defendeu que a relação entre os dois, no processo, deveria ter transparência absoluta. “Apenas coloca em dúvida, principalmente ao olhar do leigo, a equidistância do órgão julgador, que tem ser absoluta. Agora, as consequências, eu não sei. Temos que aguardar”, afirmou o magistrado ao jornal Folha de S.Paulo.

O conteúdo divulgado, neste domingo (9), por jornalistas do The Intercept Brasil, mostra que Moro, hoje ministro da Justiça do governo de Jair Bolsonaro, sugeriu ao Ministério Público Federal (MPF) trocar a ordem de fases da Lava Jato, cobrou a realização de novas operações, deu conselhos e pistas para Dallagnol seguir na operação.

Na opinião de Celso Rocha de Barros, doutor em sociologia pela Universidade de Oxford e colunista da Folha, as ações divulgados fortalecem a tese de que Lula não foi julgado dentro da normalidade jurídica. “Haverá argumentos jurídicos e pressão política de todos os lados, ninguém pode prever o que vai acontecer, mas o fato é que a tese de que Lula não foi julgado dentro da normalidade jurídica ganhou força”, escreveu Celso.

Ele ainda reitera a fala de Marco Aurélio Mello. “Há bons motivos para suspeitar que não houve equidistância no entusiasmo com que os dois lados da disputa política foram tratados. O ministro Sergio Moro parece ter cruzado linhas importantes no julgamento de Lula”, concluiu em seu texto.

Segundo a coluna Painel, da Folha, advogados do grupo Prerrogativas vão à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para que a entidade peça à Procuradora-Geral da República (PGR) que determine o desmonte da Lava Jato, e que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) transforme a aposentadoria de Moro em demissão, para que o ex-juiz perca o direito a vencimentos da magistratura.