Você está aqui: Página Inicial / Política / 2018 / 07 / Executiva do PT aproveita ato de leitura de carta para reforçar candidatura Lula

ATO PÚBLICO

Executiva do PT aproveita ato de leitura de carta para reforçar candidatura Lula

“Não temos plano B”, lembrou Gleisi. “Estão sendo orquestradas manobras, mas Lula segue na disputa”, destacou Lindbergh. “Na data correta, registraremos seu nome na Justiça eleitoral”, completou Pimenta
por Hylda Cavalcanti, da RBA publicado 03/07/2018 14h46, última modificação 03/07/2018 15h27
“Não temos plano B”, lembrou Gleisi. “Estão sendo orquestradas manobras, mas Lula segue na disputa”, destacou Lindbergh. “Na data correta, registraremos seu nome na Justiça eleitoral”, completou Pimenta
Reprodução
Executiva do PT

Em carta lida por Gleisi, Lula convoca população a lutar pelo restabelecimento do Estado de direito no país

Brasília – Em solenidade curta, em função das várias agendas programadas para esta terça-feira (3) no Congresso, integrantes do PT na Câmara e no Senado se reuniram, no início da tarde, para a divulgação de um manifesto escrito pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lido pela presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), a iniciativa foi vista não apenas como uma denúncia de Lula contra as injustiças que vem sofrendo em relação ao julgamento dos recursos apresentados por sua defesa nos últimos dias, como também uma reafirmação da sua candidatura à Presidência pelos vários líderes e petistas presentes.

No documento lido por Gleisi o ex-presidente destacou que não vê razões para acreditar que ele tenha justiça, diante do comportamento público de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e das várias manobras para atrasar os julgamentos das peças jurídicas apresentadas por sua defesa.

Mas ele lembrou que não está "pedindo favor, e sim justiça" e que não cometeu nenhum crime. E assegurou que, por isso, é sim candidato à Presidência da República.

Na última semana, Gleisi já tinha afirmado que a executiva nacional do PT entrou com ações para garantir junto à Justiça eleitoral que Lula possa participar da campanha, fazer pronunciamentos e dar entrevistas. "Lula não está com os direitos políticos suspensos. Vamos confirmar sua candidatura, o prazo eleitoral é 15 de agosto. Não pensamos em plano B", destacou a presidenta do partido.

A senadora também disse que, nas eleições de 2016, 145 prefeitos disputaram o pleito na mesma condição de Lula, motivo pelo qual a legenda quer que o STF se pronuncie a respeito.

‘Manobras orquestradas’

Já o líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), reiterou que estão sendo observadas "manobras orquestradas" contra Lula. O senador foi outro a reafirmar a candidatura do ex-presidente e chamou de "escandalosos" os últimos atos do STF, nos quais o ministro Edson Fachin jogou recurso apresentado pela defesa do ex-presidente para julgamento por parte do colegiado do tribunal, em vez da Segunda Turma.

"É escandaloso o que está acontecendo. Estamos vendo várias manobras contra Lula e o PT, mas no dia determinado pela Justiça Eleitoral, registraremos a candidatura", afirmou ainda o líder do partido na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS). Ele criticou o Judiciário que, a seu ver, tem adotado medidas "com o claro intuito de manter Lula como preso político, impedido de disputar eleições".

As declarações dos petistas fizeram o conteúdo de entrevista concedida na semana passada pelo ex-chanceler Celso Amorim, na Argentina, ser lembrado por muitos dos presentes. Na entrevista, Amorim disse que Lula ser impedido de candidatar-se seria "eticamente discutível e um grande erro político" para o país.