Você está aqui: Página Inicial / Política / 2017 / 04 / Temer é instrumento do agronegócio e do mercado, afirma historiador

crise política

Temer é instrumento do agronegócio e do mercado, afirma historiador

Segundo Luiz Marques, reformas pretendidas pelo governo, entre outros objetivos, visam a reduzir a fiscalização e aumentar a impunidade para crimes ambientais, ampliando a devastação
por Redação RBA publicado 13/04/2017 12h02, última modificação 13/04/2017 12h12
Segundo Luiz Marques, reformas pretendidas pelo governo, entre outros objetivos, visam a reduzir a fiscalização e aumentar a impunidade para crimes ambientais, ampliando a devastação
Reprodução/Univesp TV
Luiz Marques

Trilhos da devastação do governo Temer aceleram caminho para crises socioambientais, diz historiador da Unicamp

São Paulo – Segundo o historiador Luiz Marques, professor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a "sangria" que o senador Romero Jucá pretendia "estancar", em diálogo vazado que virou célebre, não ocorreu e, agora, as denúncias se voltam também contra o PMDB e o PSDB. Contudo, segundo o professor, enquanto o governo Temer contar com o apoio do mercado financeiro e do agronegócio, não deve cair, apesar de toda a crise de legitimidade. 

Ele aponta erros graves cometidos pelo governo Dilma em questões ambientais, mas diz que o governo Temer adota políticas ainda mais "destrutivas", em benefício dos "interesses devastadores do agronegócio", que assim lhe garantem a sustentação no poder. 

Ele, e mais outros quatro professores da Unicamp, em entrevista ao jornal da universidade, avaliam as consequências da divulgação da chamada Lista de Fachin – que traz dezenas de políticos, entre ministros, senadores, deputados e governadores, que agora são investigados a partir das delações de executivos da Odebrecht – para o atual cenário político, agora em xeque. A lista é do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

Marques enumera as pautas destrutivas de interesse do agronegócio levadas a cabo por Temer, como asfixia orçamentária do Ministério do Meio Ambiente, de modo a reduzir a fiscalização e garantir impunidade em relação ao desmatamento ilegal, à invasão de terras indígenas e "assassinato em série de militantes ambientalistas", e mudanças legislação em processos de licenciamento ambiental e áreas de proteção. 

"E é esse o sentido duradouro das 'reformas' em que tanto se empenha seu governo, com o apoio tácito ou explícito dos oráculos do "crescimento econômico", segundo os quais, como afirmou Celso Pastore, Temer está "recolocando a economia nos trilhos". Quem se mantém informado sobre o agravamento e a aceleração das crises socioambientais em curso sabe bem aonde nos levam esses trilhos", diz o historiador.