protesto

Coletivos registram violência da PM de São Paulo

eduardo figueiredo/mídia ninja Gabriel Simeone foi espancando em ação da PM e seu paradeiro era desconhecido às 18h São Paulo –Profissionais da Mídia Ninja e Jornalistas Livres registraram eventos de […]

eduardo figueiredo/mídia ninja
gol.jpg

Gabriel Simeone foi espancando em ação da PM e seu paradeiro era desconhecido às 18h

São Paulo –Profissionais da Mídia Ninja e Jornalistas Livres registraram eventos de repressão policial na manifestação de hoje (11), na cidade de São Paulo, contra o governo de Michel Temer. Em uma caminhada entre a Avenida Paulista e o Parque do Ibirapuera, descendo pela Rua Brigadeiro Luís Antonio, os manifestantes gritavam “Fora, Temer” e também muitas palavras de ordem contra a violência praticada pela Polícia Militar do governo Geraldo Alckmin (PSDB) nos sucessivos protestos ocorridos na capital.

Por volta das 17h50, o militante do Movimentos dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) Gabriel Simeone foi espancado em ação da PM, segundo informou a Mídia Ninja. Pelo Facebook, o coletivo informa que manifestantes foram presos por portarem máscaras.

De acordo com Jornalistas Livres, a PM encurralou alguns jovens contra um gradil e começou a revistá-los. “Aqui, o momento em que policiais detêm uma adolescente que apenas exercia o direito garantido na Constituição de se manifestar livremente”, diz a legenda da foto abaixo.

jornalistas livres/facebook
Garota quis saber por que estava sendo abordada e questionou o ‘porque sim’: foi detida

A Agência Brasil confirmou a detenção de três pessoas. Um deles era um fotógrafo que tentou argumentar com a polícia em defesa do grupo que estava sendo revistado, mas acabou sendo preso também. Amigos dos três contaram que a polícia abordou o grupo e revistou suas mochilas, por volta das 17h30. O grupo usava máscaras, sob a alegação de que faria uma intervenção artística durante o ato.

“Descontrolados, os policiais atacavam quaisquer pessoas em volta. Inclusive a imprensa. Detiveram a menina porque ela ousou perguntar “Por que a violência?”… O soldado respondeu-lhe: “Porque sim”. Quando ela retrucou: “Porque sim não é resposta!”, o PM a deteve. Essa gente nunca assistiu ao “Castelo Rá Tim Bum”?, postou o Jornalistas Livres.

Pessoas que presenciaram a prisão disseram que não houve incidente provocado pelo grupo que pudesse motivá-la, mas o major Telles, que comandou a operação, disse que os detidos foram abordados “porque estavam mascarados e com mochilas” e seriam levados para o 78º Distrito Policial e depois para o Departamento Investigações Criminais. Isso, entretanto, não ocorreu, segundo a Agência Brasil, porque o delegado cancelou a transferência.

Houve um início de tumulto durante a detenção, com correria entre participantes da manifestação, por medo que pudesse ocorrer violência contra outras pessoas. O ex-senador Eduardo Suplicy, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e o deputado federal Ivan Valente (Psol-SP) se aproximaram e mediaram a situação, que logo voltou ao normal.

Valente criticou a ação policial: “Imensa desnecessidade e uma truculência da Polícia Militar. Mesmo que alguma pessoa esteja mascarada ou com alguma coisa na mochila, você não pode tensionar uma manifestação de milhares de pessoas. É uma irresponsabilidade isso. Em todo caso, por pressão aqui dos parlamentares, a Polícia Militar afastou a tropa e a passeata vai seguir pacificamente”.

marcia minillo/rba
Entidade de direitos humanos denuncia abuso da PM de Alckmin em manifestações pacíficas