Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 03 / Para cientista político, indefinição de Serra favorece Dilma

Para cientista político, indefinição de Serra favorece Dilma

Serra não ganhará votos enquanto continuar "na moita", diz cientista político José Paulo Martins Júnior, que acrescenta: "Surpreende a capacidade que Lula tem de transferir carisma"
por Vitor Nuzzi, da RBA publicado , última modificação 01/03/2010 16h45
Serra não ganhará votos enquanto continuar "na moita", diz cientista político José Paulo Martins Júnior, que acrescenta: "Surpreende a capacidade que Lula tem de transferir carisma"

O governador de São Paulo, José Serra, durante lançamento do site Salariômetro (Foto: Jorge Araújo/Folha Imagem)

São Paulo - Pesquisa do instituto Datafolha, divulgada neste domingo (28), mostrou crescimento da pré-candidata do PT e do governo à Presidência da República, a ministra Dilma Rousseff, e queda do possível candidato do PSDB, o governador de São Paulo, José Serra.

A diferença entre os dois, que em dezembro era de 14 pontos percentuais (37% para Serra e 23% para Dilma), caiu para quatro pontos em fevereiro (32% a 28%), o que configura empate técnico, já que a margem de erro máxima é dois pontos, para mais ou para menos.

Segundo o doutor em Ciência Política José Paulo Martins Júnior, professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), neste momento a tendência é de crescimento da candidatura Dilma. Para ele, enquanto Serra permanecer "mais na moita" e não definir a sua candidatura, a tendência para os tucanos é de estagnação. O cientista político avalia que "tudo leva a crer" que Serra será o candidato do PSDB, mas não considera descartada a hipótese de uma entrada em cena do governador de Minas Gerais, Aécio Neves.

"Surpreende a capacidade que o Lula tem de transferir carisma", diz José Paulo, destacando "o prestígio que Lula e o PT vêm emprestando a Dilma", que também dispõe, na condição de ministra, de "recursos oficiais", como a possibilidade de participar de eventos, aumentando a sua exposição. Mas ele observa que o número de pessoas que diz conhecer Serra ainda é bem maior. Segundo o Datafolha, os candidatos mais conhecidos são Serra (96%) e Ciro Gomes (PSB, 92%). Dilma subiu para 86%, ante 80% em dezembro e 53% em março do ano passado. 

Em março de 2002, divisão era maior

Oito anos atrás, quando Lula tentava a sua primeira vitória e o pré-candidato do PSDB era José  Serra, as pesquisas realizadas em março mostravam um cenário mais dividido.

Pelo Datafolha, Lula tinha 29% das intenções de voto, ante 22% de Serra, 18% do ex-governador do Rio Anthony Garotinho (então no PSB) e 14% de Ciro Gomes, que estava no PPS.

Já o Ibope mostra Serra (de 16% a 18%), Garotinho (de 14% a 16%) e Roseana Sarney (PFL, atual DEM, 13%) tecnicamente empatados em segundo lugar, atrás de Lula (de 24% a 27%). Ciro Gomes aparecia em terceiro, com percentuais entre 6% e 8%.

No primeiro turno, Lula (coligação PT-PL-PC do B-PMN-PCB) teve 46,4% dos votos e Serra (PSDB-PMDB), 23,2%. Garotinho ficou em terceiro (17,9%) e Ciro, em quarto (12%). No segundo, Lula recebeu 52,793 milhões de votos, 61,3% do total.

O cientista político descarta a possibilidade de que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso entre na disputa no caso de uma eventual desistência do governador paulista. "É mito improvável. Se o Serra desistir, o Aécio abraça no ato", afirma.

Para ele, o deputado Ciro Gomes deverá mesmo disputar a Presidência da República, o que poderia beneficiar Dilma, à medida que o candidato do PSB concentrar os ataques à oposição. "Para o eleitor, seria bom ter outros nomes", acrescenta. O professor diz ainda que essa "terceira via" certamente será mais forte que a de 2006.

"Este ano, a concentração vai diminuir", afirma José Paulo, lembrando que na eleição anterior os candidatos do PT (Lula, 48,6%) e do PSDB (Geraldo Alckmin, 41,6%) concentraram mais de 90% dos votos no primeiro turno. Agora, ele acredita que petistas e tucanos somarão no máximo 70%. Mesmo assim, acrescenta, "ninguém hoje tem condições de evitar essa polarização". Ele acredita que, para a maioria da população, a questão a ser avaliada é se a vida melhorou - o que, pelos indicadores e pesquisas de avaliação, favorece o governo.

Pela pesquisa do Datafolha, no cenário principal, além de Serra (32%) e Dilma (28%), Ciro Gomes teria 12% dos votos (ante 13% na pesquisa de dezembro) e a ex-ministra Marina Silva, do PV, receberia 8% (9% no levantamento anterior). Sem Ciro, Serra passaria de 40% para 38% e Dilma, de 26% para 31%, enquanto Marina permaneceria estável, com 11% (10% em dezembro).

O instituto estabeleceu outros dois cenários. Sem Serra, Dilma receberia 30% dos votos, Ciro teria 21%, Aécio Neves, 13% e Marina, 11%. Sem Ciro e Serra, Dilma teria 34%, Aécio, 18% e Marina, 15%.

Em um eventual segundo turno, Serra receberia 45% dos votos, ante 49% em dezembro. Já a pré-candidata do PT passou de 34% para 41%. Sem Dilma, Serra teria 49% e Ciro, 31%. Excluído o tucano, Dilma ganharia com 46%, enquanto Ciro teria 33%. Se o candidato do PSDB fosse Aécio Neves, ele perderia tanto para Dilma (48% a 26%) como para Ciro (45% a 26%).

A pesquisa mostrou ainda crescimento da rejeição a Serra, para 25%, ante 19% dois meses atrás. A rejeição a Dilma ficou praticamente estável, dentro da margem de erro, de 21% para 23%. Para Ciro, a rejeição foi de 18% para 21%).

De um total de 2.623 pessoas entrevistadas, 42% disseram que votariam, com certeza, em um candidato apoiado por Lula. Esse percentual chegava a 38% em dezembro. Para 66%, é indiferente o fato de um candidato fazer oposição ao presidente.