Vidas negras importam

EUA seguem sob protestos pelo assassinato de homem negro por policial branco

George Floyd foi morto no dia 25 de maio, após ter sido asfixiado por quase 9 minutos, por policial que sabia que estava sendo filmado

Arquivo pessoal/Twitter
Manifestações ocorreram em cerca de 30 cidades de 16 estados dos EUA e se replicaram em Berlim e Londres

São Paulo – Milhares de norte-americanos ocupam as ruas de cidades dos Estados Unidos desde a noite do sábado (30) e por todo este domingo, em protesto pelo assassinato por sufocamento de George Floyd, homem negro de 46 anos. O crime, cometido por um policial branco, ocorreu na cidade de Minneapolis, na última segunda-feira e foi filmado.

As manifestações deste fim de semana ocorreram em cerca de 30 cidades de 16 estados daquele país. Em cidades como Washington, Seattle e Dallas, multidões se reuniram nas ruas para denunciar a violência policial e a discriminação racial que continuam frequentes nos Estados Unidos. Houve repressão policial, tumulto, saques e depredações em cidades como Nova York, Los Angeles, Atlanta, Chicago e Miami. Nestas quatro últimas, foi decretado toque de recolher, como tentativa de inibir as manifestações.

Em Nova York, cerca de 200 pessoas foram detidas por participação em conflitos com policiais. Viaturas foram queimadas em Atlanta. Cinco homens da polícia de Los Angeles ficaram feridos quando reprimiam protestos populares.

De forma previsível, o presidente Donald Trump afirmou que os protestos são estimulados por “grupo de criminosos, vândalos e anarquistas”. Ele também tentou inverter a lógica das manifestações, dizendo que “desonram a memória” de George Floyd.

Segundo o mandatário, “a violência e vandalismo são o trabalho de grupos de extrema esquerda que aterrorizam inocentes, destroem empregos e empresas e queimam prédios.”

Trump sinalizou apoio às forças policiais e prometeu acabar com os protestos. “Hoje, os Estados Unidos precisam de criação, não de destruição. Precisam de segurança, não de caos. E não haverá caos! Apoiamos a grande maioria dos policiais extraordinários e dedicados a servir o público. Eles nos protegem de gangues e drogas e arriscam suas vidas por nós todos os dias”.

Protestos também na Europa

Manifestações neste fim de semana por justiça pelo assassinato de George Floyd foram organizadas também em cidades da Europa, com destaque para os atos em Berlim e Londres.

Na capital da Alemanha, os protestos aconteceram na tarde de sábado, começando com uma concentração em frente à embaixada dos EUA. Milhares de pessoas compareceram ao ato organizado pelo movimento Black Lives Matter.

Na Inglaterra, milhares de pessoas marcharam pelo bairro londrino de Peckham neste domingo. A maior parte da população da região é de negros e imigrantes. Também houve concentração em frente à embaixada norte-americana na capital inglesa.