Home Mundo ONU aprova resolução contra bloqueio econômico a Cuba
Por 189 X 2

ONU aprova resolução contra bloqueio econômico a Cuba

Fim do embargo foi apoiado por 189 países, mas rejeitado pelos Estados Unidos e por Israel. Presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, considerou a decisão uma vitória do país, destacando a ajuda da Rússia
Publicado por Redação RBA
12:17
Compartilhar:   
ONU/Reprodução
ONU Cuba

Posição pelo fim do bloqueio econômico imposto pelos Estados Unidos contra Cuba é reafirmado há 27 anos pelos países

São Paulo – A Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou, na quinta-feira (1°), uma resolução que pede o fim do bloqueio econômico contra Cuba, imposto desde 1960 pelos Estados Unidos, como medida de retaliação à instauração do socialismo no país após a Revolução Cubana. Com 189 votos a favor, incluindo o Brasil, apenas os Estados Unidos e Israel votaram pela continuidade do embargo.

De acordo com informações do Opera Mundi, atual embaixadora norte-americana na ONU, Nikki Haley, alegou que o órgão “não poderia colocar fim ao bloqueio” e pediu que, no lugar da ação, que o país caribenho fosse condenado por supostas “violações de direitos humanos”, uma afirmação à descontinuidade da aproximação entre os países que vinha sendo desenhada no governo de Barack Obama. Ucrânia e Moldávia que não votaram e nem se abstiveram, não foram contabilizadas.

Ainda de acordo com o Opera Mundi, durante os dois dias de audiência para debate da resolução, embaixadores do Egito, Jamaica, Venezuela e Vietnã saíram em defesa do país caribenho e destacaram que o embargo reflete uma violação e desconsidera a importância de Cuba para a economia global. “O fim do bloqueio contribuiria para o desenvolvimento mundial”, afirmou ainda, segundo o Opera Mundi, o representante do Egito, Mohamed Fathi Ahmed Edrees.

Em seu Twitter, o presidente cubano Miguel Díaz-Canel, que assumiu o posto em abril desde ano, considerou uma “vitória” a reafirmação de apoio da ONU e destacou a ajuda da Rússia que, segundo ele, foram os primeiros a defender o fim do bloqueio.