América do Sul

Uruguai entrega a presidência do Mercosul e impasse continua

Chancelaria uruguaia comunicou aos integrantes do bloco que neste sábado (30) estará encerrado seu comando 'pro tempore' do bloco e futuro próximo, diante de boicote brasileiro e paraguaio, é incerto

Divulgação/Mercosul
Edificio Mercosul

Sede Administrativa do Mercosul, em Montevidéu, onde ocorreria a reunião de sábado, cancelada

São Paulo – A imprensa uruguaia informa que a chancelaria do país platino comunicou oficialmente aos integrantes do Mercosul que amanhã (30) estará encerrada sua presidência rotativa do bloco. A justificativa é de que os seis meses já foram cumpridos, de acordo com as normas do Protocolo de Ouro Preto, assinado em 17 de dezembro de 1994 na cidade histórica mineira.

A Venezuela deveria assumir a presidência pro tempore, mas um impasse provocado principalmente por Brasil e Paraguai, com apoio velado da Argentina, impede o desfecho diplomático natural, defendido pelo governo do presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, e seu chanceler, Rodolfo Nin Novoa.

Junto ao Paraguai, o Brasil, por meio do Ministério das Relações Exteriores do governo interino, comandado pelo tucano José Serra, faz gestões para que a Venezuela não assuma, alegando que o país andino precisa antes se adequar às normas comuns aos outros membros.

Diante da situação inédita, não se sabe ao certo o que acontecerá nas próximas horas ou dias. Enquanto parte da imprensa sul-americana, como a rede Telesur, afirma que a presidência será da Venezuela por não haver impedimentos jurídicos, outra parcela diz que o futuro é incerto.

“Não vai ser uma transferência para o questionado governo da Venezuela de Nicolás Maduro, mas uma notificação de que amanhã, sábado, 30 de julho, como estabelecem as normas do Mercosul, o país deixa a presidência”, diz o jornal El País.

Segundo o diário, uma fonte da chancelaria uruguaia teria afirmado que “não haverá nenhuma formalidade”, já que não houve consenso e não haverá a reunião antes agendada do Conselho do Mercosul neste sábado. “Não tomamos posição sobre que país deve assumir a presidência”, teria afirmado a fonte.

A reunião deste sábado, entre os membros do bloco, foi cancelada, depois que Brasil e Paraguai comunicaram formalmente que não participariam. A Argentina do presidente Mauricio Macri mantém discrição, já que ela pode ser a próxima a presidir o Mercosul.

“O que pode acontecer agora? – é a pergunta que se faz a diplomacia uruguaia. Uma interrogação que tem múltiplas respostas e antecipa que esta história promete novos capítulos”, afirma o El Observador.