Home Mundo Assange está há quatro anos na embaixada do Equador em Londres; ativistas protestam
refúgio

Assange está há quatro anos na embaixada do Equador em Londres; ativistas protestam

Entre personalidades que participarão das atividades estão Noam Chomsky, Slavoj Zizek, Yanis Varoufakis, Ai Weiwei, Vivienne Westwood e Michael Moore
Publicado por Redação RBA
14:40
Compartilhar:   
youtube
wiki2.jpg

‘Prisão’ sem julgamento de Assange é a mais longa da Justiça sueca

Opera Mundi – O fundador do Wikileaks, Julian Assange, completa hoje (19), quatro anos de reclusão na embaixada do Equador em Londres. Para marcar a data, capitais de diversos países realizarão manifestações em apoio ao australiano e ele fará pronunciamentos por meio de teleconferência.

Com a chamada “Primeiro eles vieram por Assange…”, os atos estão programados ao longo de toda a semana em Madri, Nova York, Quito, Atenas, Buenos Aires, Belgrado, Berlin, Bruxelas, Milão, Montevidéu, Nápoles, Paris e Sarajevo.

Diversas personalidades internacionais anunciaram que participarão das atividades, entre elas, o linguista Noam Chomsky; o filósofo Slavoj Zizek; o ex-ministro de Finanças da Grécia Yanis Varoufakis; os músicos Brian Eno, Patti Smith, PJ Harvey; o prêmio Nobel argentino Adolfo Pérez Esquivel; o artista e ativista chinês Ai Weiwei; a desenhista Vivienne Westwood e os diretores Michael Moore e Ken Loach.

Desde 2010, Assange é perseguido pela Suécia. Para evitar uma extradição a este país, onde é acusado de crimes sexuais, o ativista está refugiado na sede diplomática do país sul-americano que lhe concedeu asilo político.

Assange teme ser extraditado para a Suécia porque considera que a acusação de assédio sexual é um pretexto para enviá-lo aos Estados Unidos, onde é acusado por ter revelado milhares de documentos secretos deste país, e onde pode ser condenado à prisão perpétua pelo crime de espionagem.

Apesar de a ONU já ter se manifestado em defesa de Assange, o Reino Unido mantém a disposição de prendê-lo tão logo o ativista deixe a embaixada equatoriana. Isso porque o Ministério Público sueco emitiu uma solicitação de detenção europeia e a renovou em maio deste ano.