Home Educação Escola em tempo integral sem estrutura pode ampliar desigualdade
Precarização do ensino

Escola em tempo integral sem estrutura pode ampliar desigualdade

Governo de João Doria quer implantar escolas integrais na rede pública de ensino médio regular. Professores e estudantes criticam falta de diálogo e temem que instituições em áreas mais vulneráveis sejam prejudicadas
Publicado por Clara Assunção
10:54
Compartilhar:   
Rovena Rosa/EBC

Medida de Doria desconsidera problemas estruturais da escola, não dialoga com comunidade escolar e apresenta conteúdo educaciinal com pouca clareza, avaliam especialistas

São Paulo – O governo  João Doria (PSDB) anunciou que pretende transformar 100 escolas estaduais de ensino médio regular, em São Paulo, em escolas de ensino integral. Segundo a Secretaria de Educação do estado, a oferta do Programa de Ensino Integral contemplaria 500 mil novos alunos nessa modalidade, um aumento de 32% em relação ao que é oferecido hoje. Mas, para especialistas na área, o que seria uma boa notícia pode ser, na verdade, uma medida precipitada.

Em entrevista ao repórter Jô Miyagui, do Seu Jornal, da TVT, a gerente de projetos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), Anna Helena Alterfender, apontou que a política pública desenhada pelo governo Doria desconsidera os problemas de infraestrutura nos colégios e não promove o diálogo com a comunidade e os professores. “Para que a política seja mais efetiva e eficaz é fundamental que as pessoas envolvidas sejam ouvidas”, defende.

A deputada estadual Maria Izabel Noronha, a Bebel, (PT-SP), presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) diz não ser contra a escola em tempo integral, mas acredita que a prioridade deveria ser o ensino fundamental – da 1ª ao 9º ano –, ao contrário do que propõe o governo para os anos terminais, fase em que os alunos começam a ir para o mercado de trabalho. “Nós temos desigualdades sociais. E quando o estudante está na idade de trabalhar, o pai manda trabalhar. Então se o ensino ficar em tempo integral, (ele) vai acabar saindo da escola e vai para o mercado de trabalho e depois voltará para fazer Educação de Jovens e Adultos (EJA)”, analisa a deputada que agenda uma conversa com o secretário estadual de educação, Rossieli Soares da Silva, para apresentar a proposta da comunidade escolar, professores e estudantes.

Dois anos atrás, o Cenpec fez uma pesquisa sobre a política de ensino médio em quatro estados, incluindo São Paulo, e concluiu que, dependendo das condições, o ensino em tempo integral pode aumentar a desigualdade social, favorecendo as instituições em áreas menos vulneráveis.

Assista à reportagem da TVT