Home Educação Sociedade rejeita reforma do ensino médio em enquete do Senado
contra retrocessos

Sociedade rejeita reforma do ensino médio em enquete do Senado

Em votação proposta pelo Senado Federal sobre a medida provisória do governo Temer, população mostra rejeição expressiva
Publicado por Redação RBA
Educação
Compartilhar:   
memória/ebc
ensino medio.jpg

Proposta vem despertando desconfiança pela ausência de debate com a sociedade

São Paulo – O Senado Federal, por meio da plataforma online e-Cidadania, está questionando o que os brasileiros pensam da Medida Provisória (MVP) 746/2016, de autoria do presidente Michel Temer (PMDB), que altera o ensino médio brasileiro e vem despertando desconfiança pela ausência de debates com a sociedade. Até a publicacão desta matéria, 33.212 pessoas se posicionaram contra a medida, que é apoiada por 1.438 internautas.

“Essa reforma está sendo literalmente imposta sem nenhum diálogo. É uma coisa sem precedentes na história democrática brasileira. E ainda com a chancela de ‘novo ensino médio’. Não tem nada de novo, é um retrocesso até os anos 1940”, afirma o coordenador educacional Dante Moura, do Fórum Nacional de Coordenadores de Programas de Pós-Graduação em Educação da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (Anped), e professor do Instituto Federal do Rio Grande do Norte.

A proposta tramita no Legislativo e, para Moura, existe a necessidade de barrar nas ruas este projeto. “Nossa correlação de forças no Congresso é extremamente desfavorável. Os golpistas estão lá. Para que eles possam ao menos refletir sobre a matéria é necessário que cheguemos às ruas e que pressionemos para que isso não ocorra. Temos que resistir a este processo com mobilizações em nível nacional. Precisamos chegar nas escolas estaduais e federais de ensino médio e ali, juntamente com professores e estudantes, ocuparmos as ruas em perspectiva de resistência”, afirmou.

Hoje (26), estudantes secundaristas realizam um ato em São Paulo. O evento “Estudantes Contra a Reforma nas Ruas” ocupa parte da Avenida Paulista desde as 17h. O batalhão de choque da Polícia Militar cerca os presentes na altura da Avenida Brigadeiro Luís Antônio. Organizações de estudantes estão organizando formas de resistência em todo o país. É o caso da Rede Emancipa, que divulgou uma nota incentivando ocupações em escolas contra as medidas de Temer.

Para o professor, não surpreende a natureza da ação, sem passar pelo debate democrático. “O governo já vinha sinalizando um regime de urgência em um Projeto de Lei (PL) que discutia esta matéria, e na última semana veio a notícia. Não é surpreendente vindo de um governo que se apresenta nessas condições, que chegou ao poder por um meio golpista. Não é de se esperar algo diferente”, argumenta.

Sobre o conteúdo da MVP, Moura vê sérios problemas: “Primeiro, acabar com o conceito de educação básica. O segundo é acabar com a ideia de ensino médio integrado com a perspectiva de formação humana integral, que é um caminho que vem sendo trilhado a duras penas a partir dos anos 2000. Na medida em que essa especialização só ocorre a partir do terceiro ano, você mata a ideia desta educação integral integrada”.

“O conteúdo em si é extremamente preocupante. Ele esfacela conceitos estabelecidos na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). O projeto ignora a educação como direito de todos, universal. Quando você fragmenta e esfacela o ensino médio, permanecendo com apenas dois anos de base comum, isso é carregado de problemas”, completou.

Para expor sua opinião sobre a medida, basta acessar o link do e-Cidadania.