sanha privatista

Ofensa de Guedes ao Banco do Brasil mostra desprezo do governo pelo patrimônio do povo

Bolsonaro e Guedes, tratam Banco do Brasil como “legume na feira, como se o patrimônio público pertencesse a esse governo”, afirma bancária

reprodução/redetvt
"É um caso pronto (de privatização) e a gente não tá dando esse passo (...) Então, tem que vender logo essa porra", disse Guedes

São Paulo – O governo Jair Bolsonaro sempre deixou clara a intenção de entregar ao máximo o patrimônio público para as mãos de empresários e a divulgação, na sexta-feira (22), do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril acrescentou mais um episódio nessa sanha privatista.

Na ocasião, o ministro da Economia, Paulo Guedes, mostra voracidade ao falar da privatização do Banco do Brasil. “É um caso pronto (de privatização) e a gente não tá dando esse passo (…) Então, tem que vender logo ‘essa porra'”, disse.

Do lado dos empresários e especuladores o descaso com o banco foi bem recebido. As ações do banco seguem em ascensão nas mesas de negociações da B3 (Brasil Bolsa Balcão).

Já para Maria Rita Serrano, do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, “tratou-se do Banco do Brasil como se fosse o legume de uma feira. Temos que vender e ainda com palavrão, como se o patrimônio público brasileiro pertencesse a este governo”.

A bancária, integrante do Conselho de Administração da Caixa, completou, em entrevista exibida na Rede TVT (assista abaixo): “O patrimônio público brasileiro pertence ao Estado e aos brasileiros”.

Por sua vez, o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga, explica que o setor privado tem amplos interesses no banco e cita alguns: “Carteira de crédito do Banco do Brasil, folha de pagamento, carteira de microcrédito e, principalmente, a possibilidade de abertura do setor de investimentos em nível nacional”.

Assista à íntegra da reportagem:


Leia também


Últimas notícias