Alternativas

União Europeia lidera saída da crise econômica com Pacto Verde

Aliança visa acabar com efeitos da pandemia, mudanças climáticas e desigualdades sociais. E mostra ao mundo que é possível questionar modelo econômico predatório, avalia geógrafo da USP

CC 2.0 Horia Varlan
Pacto Verde elege mudança climática como principal eixo para uma nova economia

São Paulo – Na União Europeia, os esforços contra as mudanças climáticas devem guiar também a saída da crise econômica e social provocada pela pandemia do novo coronavírus. É o que afirma o documento “Por uma Aliança Europeia para uma Recuperação Verde”. O chamado Pacto Verde foi assinado por mais de 180 líderes políticos, envolvendo ainda executivos de empresas multinacionais, movimentos sociais, sindicatos e organizações não governamentais. 

O pacto já vinha sendo elaborado desde o final do ano passado pela atual dirigente do bloco europeu, a alemã Ursula von der Leyen. Mas foi reafirmado como uma proposta de transição necessária para a criação de novos postos de trabalho, desenvolvimento econômico e mudança no estilo de vida em meio à atual crise. 

O objetivo, de acordo com os signatários, é realizar “investimentos maciços” para a construção de um “novo modelo econômico europeu” que gire em torno de “princípios ecológicos”, visando prioritariamente o combate à Covid-19, como destaca o jornal El País


Em seu comentário na Rádio Brasil Atual, o professor Wagner Ribeiro, do Departamento de Geografia e do programa de pós-graduação em Ciência Ambiental da Universidade de São Paulo (USP), explica que a agenda verde acerta ao unir as metas de eliminação das emissões de gases do efeito estufa e de poluentes, e de redução da perda de biodiversidade e do uso de combustíveis fósseis, com a ideia de uma economia mais solidária e alternativa ao modelo econômico predatório atual, que vigora na maior parte do mundo, e que está em xeque diante da crise

Dia Mundial da Terra

“Estamos revendo a própria organização social e o estilo de vida, e isso tudo faz com que a gente tenha a ousadia de pensar alternativas de como vamos organizar a vida no pós-covid-19. E, sem dúvidas que, se a União europeia emplacar com essa proposta, ela vai sair à frente e terá a liderança desse processo, disputando certamente com a China a liderança do século 21”, destaca o geógrafo. 

Nesta quarta-feira (22), em que se celebra o Dia Mundial da Terra, Wagner Ribeiro lembra que cada vez mais o mundo se dá conta de que a preservação do meio ambiente não é oposta à criação de empregos ou ao desenvolvimento econômico. De acordo com ele, o pacto verde da U.E comprova que é possível conciliar os campos e criar uma saída. Do contrário, a insistência com o modelo neoliberal, que estimula a degradação ambiental, só levará a mais pandemias como a do coronavírus. “Temos a possibilidade de ter outras pandemias sim, porque cada vez mais diminuímos as áreas naturais”, lembra. 

“Isso faz com que os animais tenham contato conosco, transmitindo patógenos que nós não tínhamos contato anteriormente e que podem devastar, em larga escala, a espécie humana, como já ocorreu no passado. Não há nenhuma novidade. Estamos assistindo a uma aceleração desse tipo de contágio, dada basicamente à ação humana, baseada no desmatamento e também no aquecimento global”, finaliza o professor da USP.

Ouça a íntegra do comentário na Rádio Brasil Atual: