Em meio à turbulência

Refúgio, pós-colonialismo e mulheres norteiam 14ª Mostra Mundo Árabe de Cinema

Festival será realizado em São Paulo a partir de quarta. Serão 20 filmes, exibidos no Centro Cultural Banco do Brasil

divulgação
Cena do filme 'Meu Tecido Preferido', de Gaya Jiji. Diretoras terão destaque especial no festival

São Paulo – O Instituto da Cultura Árabe (ICArabe) promove, a partir de quarta-feira (16), a 14ª Mostra Mundo Árabe de Cinema, que vai até o dia 28. Serão exibidos 20 filmes de novos diretores árabes que se destacam por sua produção de alta qualidade e pela relevância política e cultural de suas obras. O evento será realizado no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), no centro da capital paulista.

Essa é a terceira rodada da Mostra, que já passou anteriormente pelo Cinesesc, entre 7 e 14 de agosto, e pela Aliança Francesa, no dia 28 daquele mês. Foram reunidas mais de 2.500 pessoas nessas ocasiões. As produções da Mostra estão divididas em três sessões: A Memória e seus encontros, A Chama da Insurreição e Do limite ao deslocamento.

Os temas centrais dos filmes, explica o diretor cultural do ICArabe, Arthur Jafet, são os desafios do mundo árabe em meio à crise de refugiados, ao terrorismo, ao pós-colonialismo, aos impactos da Primavera Árabe, ao clamor por mais liberdade de expressão, mas também o retorno às origens, a memória e a análise do passado frente a um novo cenário que se revela”.

O diretor tunisiano Lotfi Achour virá para um encontro com o público no sábado (19). É dele o filme que abre o evento; Esperança em Chamas (2017), além do inédito A Lei do Cordeiro (2019)A brasileira Joy Ernanny, diretora de Além do Véu (2018), também participará de uma conversa com a plateia, na sexta-feira (18).

O ICArabe, em nota, explica a relevância da mostra neste momento geopolítico. “Em meio à turbulência social e política de sua esfera, o mundo árabe vem apresentando um número crescente de cineastas talentosos, que buscam se recompor com maior criatividade e através de técnicas sofisticadas de filmagem expor ao público as questões que afligem a sua geração. Em virtude disso, observa-se uma presença cada vez maior da cinematografia árabe em festivais de grande envergadura, como Cannes, Veneza, Berlim, Locarno, Toronto e Sundance, além do Oscar e do César. Uma nova geração de cineastas talentosos está surgindo e se afirmando, trazendo as questões das sociedades árabes atuais para o primeiro plano.”

As dificuldades e os tabus sociais também são lembrados pela organização. Sete filmes apresentados são dirigidos por mulheres. “A despeito da auto-censura e dos tabus sociais, uma virtuosa geração de profissionais busca garantir a missão artística do cinema; granjeando visões, desafiando estereótipos e esboçando uma nova linguagem. Por intermédio de experiências estéticas diversas, traçam um panorama cinematográfico de seus países, onde estão presentes as marcas do neocolonialismo, do fervor da indignação popular; a análise do passado frente à crise identitária; e a situação dramática do deslocamento de povos”, completa o Instituto.

Os ingressos são gratuitos, mas recomenda-se chegar um tempo antes das sessões para garantir lugar. A programação completa pode ser conferida no site da Mostra.