Polícia preventiva

Diadema mobiliza guarda municipal para atuação cidadã

Prefeitura de Diadema reorienta guarda municipal para o policiamento preventivo, mais próximo da população, com foco no combate à violência contra a mulher e aos pancadões

Maria Teresa Cruz/Ponte Jornalismo
"É a lógica da prevenção”, afirma Benedito Mariano sobre a mudança de orientação da guarda municipal em Diadema

São Paulo – Nas primeiras semanas de janeiro, a cidade de Diadema tem visto sua relação com a guarda municipal mudar. Em vez de atuar de forma ostensiva, a corporação passa a trabalhar de maneira mais próxima à população, de maneira preventiva. Essa é a característica da chamada Ronda Cidadã, implementada nos primeiros dias da gestão do prefeito José de Filippi Júnior, do PT.

A ideia em Diadema é levar a guarda municipal para todas as regiões da cidade, aproximando a corporação da comunidade e inibindo a ação de criminosos, principalmente nos casos de furtos e roubos.

De acordo com Benedito Mariano, secretário de Defesa Social da cidade, a pasta deve inclusive mudar de nome e passar a se chamar Segurança Cidadã, dando maior dimensão de prevenção na atuação da secretaria.

Com a Ronda Cidadã, explica Mariano, o objetivo é que a guarda municipal retome sua característica preventiva e que atue em parceria com a sociedade civil no combate a crimes e também para evitar os pancadões.

Segurança Cidadã

“A secretaria chamando Segurança Cidadã se enquadra mais na Lei Federal criada na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff, que dá um enfoque mais na segurança preventiva e comunitária. É a lógica da prevenção”, afirma Benedito Mariano.

Ainda de acordo com Mariano, que já atuou como Secretário de Segurança Urbana e Coordenador do Programa de Braços Abertos na gestão de Fernando Haddad, em São Paulo, outro foco é o combate à violência contra a mulher.

A prefeitura pretende criar, até março, a Patrulha Maria da Penha, uma força da guarda municipal de proteção à mulher que vai garantir que medidas de proteção sejam cumpridas em toda a cidade.

Lei Maria da Penha

Para Ariel de Castro Alves, advogado especialista em direitos humanos, é fundamental que a guarda municipal de Diadema retome seu caráter comunitário, mantendo contato com a comunidade e entidades da sociedade civil.

Segundo o especialista, as guardas dos mais diversos municípios têm atuado de forma muito militarizada ou repressiva, algo muito diferente de sua ideia original. Por isso, vê com bons olhos os exemplos da Ronda Cidadã e da Patrulha Maria da Penha.

“E o patrulhamento da lei Maria da Penha também é extremamente significativo, no sentido de que com a pandemia tivemos um aumento da violência doméstica, que afeta mulheres, crianças e também idosos. São necessárias ações preventivas, e também repressivas em alguns casos. Vemos com bons olhos essas ações que estão sendo planejadas pelo município de Diadema, de um policiamento comunitário, por meio das rondas cidadãs”, afirma Ariel.

Ainda segundo o secretário Benedito Mariano, a pasta pretende trabalhar de forma próxima à sociedade, ouvindo sugestões de projetos e propostas, além de criar campanhas de conscientização para impedir a realização de festas clandestinas.

Edição: Helder Lima

Confira reportagem na rádio Brasil Atual

Leia também


Leia também


Últimas notícias