Você está aqui: Página Inicial / Política / 2011 / 01 / Mídia valoriza disputa entre PT e PMDB e sinaliza má vontade, diz especialista

Mídia valoriza disputa entre PT e PMDB e sinaliza má vontade, diz especialista

Para professor, a disputa entre aliados é natural na composição de qualquer base governista
por virginiatoledo publicado , última modificação 10/01/2011 15h17
Para professor, a disputa entre aliados é natural na composição de qualquer base governista

Partidos do vice, Michel Temer (PMDB), e da presidente, Dilma Roussef (PT), negam que haja divergências na distribuição de cargos do governo (Foto: José Cruz/ABr)

São Paulo – A velha mídia alimenta e enfatiza supostas divergências entre os partidos aliados na composição do governo – como se não fosse natural haver disputa por espaço entre partidos que irão compor um governo de coalizão. A opinião é do professor da Universidade de Brasília (UnB), Venicio Artur de Lima, referindo-se ao sabor de "crise política"  que alguns jornais veem entre PT e PMDB nos primeiros dias de mandato da presidente Dilma Rousseff.

Desde a posse, os dois maiores partidos da situação protagonizam o debate em torno da ocupação dos cargos que compõem a máquina pública, principalmente os chamados cargos de segundo escalão, aqueles que serão subordinados aos ministros e executivos de estatais já indicados durante o processo de transição.

"Está tudo tranquilo, não há problemas. A presidente Dilma já colocou o Palocci no circuito", disse Valdir Raupp, presidente interino do PMDB, ao afirmar, na quarta-feira (5), a missão do atual ministro da Casa Civil como intermediador das discussões.

Em entrevista a jornalistas nesta sexta-feira (7), o ministro da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, Luiz Sérgio, reiterou a afirmação de que não há crise entre os partidos. “Este é um governo de coalizão. Num governo de coalizão, é normal que partidos queiram participar [do governo]. Num primeiro momento, sempre há uma movimentação que pode dar uma sensação de crise. Na verdade, não há crise. Este é um processo natural”, disse.

Para Venício Lima, a cobertura política da mídia amplifica os "factoides", com a finalidade de dar ao início de mandato da presidente eleita um ar de anormalidade na ordem política.

"O conflito e a disputa fazem parte, sobretudo quando se tem partido aliado. A composição do governo da Dilma é de um leque amplo de forças políticas. É natural que os dois maiores partidos usem recursos para ocupar mais espaço no poder", explica o professor.

Venício vê na conduta da mídia sinais de "má vontade" na cobertura política, na mesma proporção como era tratado o governo Lula. "Eu esperava que isso pelo menos fosse ter uma trégua até que as coisas se definissem", lamenta.