Home Trabalho Trabalhadores dos Correios falam em greve. TST consegue extensão do acordo coletivo por um mês
Sem acerto

Trabalhadores dos Correios falam em greve. TST consegue extensão do acordo coletivo por um mês

Ministro tenta intermediar negociações, mas entendimento ainda parece distante. Empresa ofereceu 0,8% de reajuste
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
08:45
Compartilhar:   
O Correio Digital

Impasse nas negociações da campanha salarial, com plano de privatização ao fundo, pode levar a nova greve dos trabalhadores dos Correios

São Paulo – Com dificuldade de avanço nas negociações entre sindicalistas e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, o vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Renato de Lacerda Paiva, propôs em audiência ontem (31) a prorrogação por um mês do acordo coletivo, até o próximo dia 31. Simultaneamente, ele pediu que os trabalhadores suspendam a greve programada para começar nesta quinta-feira (1º, data-base da categoria). A Fentect, uma das federações que representam os empregados, afirmou que os Correios mostram desinteresse em um acordo e “empurraram” a negociação para o TST. A entidade defende que os funcionários da empresa se mantenham em “estado de greve”.

“O discurso de privatização defendido pelo Governo e colocado em prática gradativamente (inclusive com os ataques aos direitos dos ecetistas) também é produzido a partir da Campanha Salarial jogando a opinião pública contra os trabalhadores e espalhando informações falsas a respeito do serviços prestados pelas empresas estatais”, afirma a Fentect. A federação defende rejeição de proposta já apresentada – que incluiu reajuste de 0,8% – e mobilização “para pressionar por uma proposta que verdadeiramente atenda os anseios da categoria”.

Essa também é a orientação da Findect, federação interestadual: reprovação da proposta da ECT e aprovação do “estado de greve”. Novas assembleias deverão ser realizadas na próxima quarta-feira (7).

Um dos principais pontos de impasse está no plano de saúde extensivo aos pais dos empregados. A proposta do TST prevê manutenção do plano, até o dia 31, para os pais que estejam em tratamento, além de atendimentos de urgência.

Em nota, a ECT afirma que “Correios e representações sindicais mantêm as negociações para assinatura do acordo coletivo da categoria, que continuam sendo mediadas pelo TST”. A empresa diz que todos os serviços “estão sendo prestados normalmente”, informando sobre os canais oficiais de informação, pela internet (http://apps2.correios.com.br/faleconosco/app/index.php) ou pelo telefone 0800 725 0100.