mais que comprovado

Preferida de Bolsonaro, hidroxicloroquina aumenta mortes de pacientes com covid-19

Estudo publicado na revista científica Nature mostra ainda que a Cloroquina não trouxe qualquer benefício aos pacientes de covid-19

Reprodução

São Paulo – Estudo publicado nesta quinta-feira (15), na revista científica Nature, comprova que o tratamento com o medicamento hidroxicloroquina aumenta as mortes de pacientes com covid-19 e que a cloroquina não traz qualquer benefício aos pacientes da doença. Ambos os medicamentos são cotidianamente propagandeados pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e fazem parte do chamado “kit covid”, remédios ineficazes, mas que têm sido indicados a pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

O estudo publicado é uma metanálise, que revisou dados de 30 estudos criteriosos feitos tanto com a hidroxicloroquina, como com a Cloroquina. No total, 10.319 pacientes participaram desses estudos. “Descobrimos que o tratamento com hidroxicloroquina está associado com o aumento das mortes de pacientes com covid-19 e não há benefícios na cloroquina”, afirmam os pesquisadores. “Os profissionais médicos em todo o mundo são incentivados a informar os pacientes sobre essas evidências”, complementam.

Os pesquisadores destacam ainda que a agência de medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) revogou uma autorização de uso de emergência para esses remédios, em 15 de junho de 2020. Além disso, dois grandes ensaios clínicos randomizados com esses medicamentos foram interrompidos devido aos riscos identificados. Embora usados há anos com bons resultados no tratamento de outras doenças, como a malária, hidroxicloroquina e cloroquina podem causar efeitos adversos graves, como arritmia cardíaca, o que pode estar relacionado às mortes de pacientes com covid-19

“É uma evidência definitiva. A gente já estava convencido, mas é uma evidência definitiva para quem ainda prescreve cloroquina dizendo que não tem estudos, não tem dados, que indica com potencial beneficio. Quem está dando esse medicamento, está aumentando a chance de as pessoas morrerem”, explicou o especialista em infectologia e saúde pública Gerson Salvador, em entrevista ao portal Yahoo.