Mau exemplo

Bolsonaro será denunciado na OMS pelo descuido com a saúde da população

Enquanto Bolsonaro desdenha do vírus, seu ídolo Trump fecha fronteiras e investe na obtenção de uma vacina. Até entrou em disputa com o governo alemão

Reprodução
Ao participar de ato no dia 15, Bolsonaro atentou contra lei federal e medidas de prevenção de seu próprio governo contra avanço do coronavírus

São Paulo – A bancado do Psol na Câmara vai denunciar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à Organização Mundial da Saúde (OMS) pelo mau exemplo que tem dado e por desdenhar da vida da população brasileira. Além de estimular atos pelo Brasil em seu apoio contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF), que ocorreram ontem (15), Bolsonaro foi cumprimentar apoiadores e fazer selfies em Brasília. Todos estavam sem máscara e se cumprimentavam normalmente, desprezando as orientações das autoridades de saúde

Em entrevista à CNN Brasil à noite, Bolsonaro definiu como “histeria” as medidas preventivas que estão sendo tomadas para conter o avanço do coronavírus. E disse não estar preocupado com o vírus “porque toma as suas precauções”.

A denúncia à autoridade de saúde das Nações Unidas foi anunciada pelo deputado federal Marcelo Freixo (Psol-RJ), por meio de perfil no Twitter. Freixo destacou o fato de 12 pessoas que estiveram com Bolsonaro em Miami estarem com o coronavírus. E que o presidente “está se lixando p/ a vida dos brasileiros”.

O parlamentar lembrou que a demanda por leitos de UTI nos países atingidos pelo Covid-19 é de 2,4 para cada grupo de 10 mil habitantes. E que no Brasil, o SUS tem em média menos da metade: um leito para cada 10 mil. “É muito grave, já que três em cada quatro brasileiros dependem do SUS. É urgente um plano de investimento emergencial no sistema público de saúde. O ministro da Saúde deve demitir imediatamente o presidente da República.”

O líder do PSB na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) também criticou a atitude. “As consequências do ato de Bolsonaro hoje vão além do ataque à democracia. Trata-se de uma irresponsabilidade sem tamanho, uma ameaça à vida das pessoas, expostas a um vírus que tem matado milhares ao redor do mundo. É isso que acontece quando se governa pensando em concentrar e manter seu próprio poder.”

Tudo pela vacina

Enquanto o presidente brasileiro minimiza a gravidade do novo coronavírus, o ídolo de toda a sua família, o presidente dos Estados Unidos Donald Trump, tem adotado diversas medidas.

O vírus que já infectou 154 mil pessoas em 139 países, matando 5.796, levando muitos países a fechar fronteiras, companhias aéreas a cancelar voos e toda a agenda cultural e esportiva, levou Trump a passar por cima de seu desprezo pela ciência. Pediu rapidez no desenvolvimento da vacina aos cientistas dos Estados Unidos, que também têm enfrentado cortes em orçamento.

Ao mesmo tempo, o presidente dos Estados Unidos tem tentado alternativas externas. O governo alemão o acusa de tentar se apropriar de um projeto de vacina contra o novo coronavírus desenvolvido em um laboratório local.

Neste domingo, o ministro do Interior da Alemanha, Horst Seehofer, confirmou as informações publicadas pelo jornal Die Welt, sobre a intenção de Trump de investir no controle do laboratório, em troca da exclusividade nos resultados das pesquisas para o imunizante.