Segundo turno

Secretário de Covas apoia ‘fake news’ de creches conveniadas contra Boulos: ‘O estrago está feito’

Mensagem com fake news contra Boulos está sendo enviada aos pais de estudantes para coagi-los a votar no atual prefeito Bruno Covas

GovSP
O secretário da Educação, Bruno Caetano, e o prefeito Bruno Covas. Áudios mostram que o governo sabe das mensagens fake news

São Paulo – Mensagem de áudio obtida pela RBA mostra o secretário municipal da Educação, Bruno Caetano, comemorando a difusão, por dirigentes de creches conveniadas, de uma fake news contra o candidato do Psol a prefeito de São Paulo, Guilherme Boulos, para coagir os familiares de estudantes a votar no atual prefeito e candidato à reeleição, Bruno Covas (PSDB). Na mensagem enviada aos pais dos estudantes na última quinta-feira (19) pela Creche Privada Conveniada Madagascar, mantida pela Associação Sonia Maria, é dito que, se Boulos vencer, “teremos o fim das creches conveniadas, não havendo vagas para os filhos de vocês e também um elevado índice de desemprego”.

“O estrago está feito”, comemora Caetano, sobre a fake news contra o candidato do Psol. “Está escrito no Programa de Governo do Boulos, tá escrito na Folha de S. Paulo, tá escrito no Estadão, tem uma declaração do Boulos falando mal da rede parceira. Eles podem espernear, podem tentar o que quiserem, mas tá lá cravado a posição, que é de verdade o que eles pensam. Quero agradecer a todo mundo que está ajudando a espalhar a verdade”, diz Caetano no áudio, mostrando a que a ação tem o aval do governo Covas.

Ouça o áudio do secretário de Educação

Áudio do secretário da Educação de Covas, Bruno Caetano

No print da mensagem enviada pela creche aos pais, a que a RBA teve acesso, foi reproduzida também uma imagem de apoio ao atual prefeito. “Estamos acompanhando na mídia a repercussão das eleições e uma possível reviravolta no segundo turno e por esse motivo, viemos aqui pedir encarecidamente que pensem antes de votar, caso o candidato de vocês não seja o atual Prefeito Bruno Covas. O outro candidato não tem propostas muito favoráveis a nós da Rede Parceira e chegou a dizer inclusive que tem a intenção de reverter de forma gradativa a privatização”, diz outro trecho da mensagem.

A Associação Sonia Maria foi contratada em fevereiro como parte do programa de expansão da rede de creches pelo governo Covas. A organização recebe R$ 57.713,13, por mês, para atender 52 crianças, sendo 29 de berçário. O governo tucano priorizou a parcerias em vez de construir novas unidades públicas. O orçamento das creches parcerias vem crescendo ano a anos e o de 2020 é o maior da história para essa modalidade: R$ 2,8 bilhões.  

Além do texto, mensagens de áudio também circulam dizendo que as professoras e outros trabalhadores das creches conveniadas vão ficar desempregadas – outra fake news – se Boulos vencer a eleição. “Oi, meninas, tudo bem? Não estou fazendo política partidária para A ou B, mas estou fazendo um alerta porque nós somos uma categoria que trabalha para uma rede conveniada. Então, fazer escolhas para quem nos provém emprego é uma forma de escolher estar empregada em detrimento de escolher uma pessoa que não valoriza o convênio e a gente ficar desempregada. Acho que a decisão agora é a gente votar por emprego ou desemprego”, diz o áudio, cuja autora não se identifica.

Mais fake news contra Boulos?

Outra mensagem, atribuída à diretora regional de Educação de São Mateus, Mirtes Innocencio da Silva, convoca uma reunião virtual, amanhã (23), às 19h, para falar das propostas dos candidatos. No entanto, na própria mensagem fica claro o viés da conversa. “Ninguém vai falar aquilo que não é. Aliás, eu não preciso falar do plano do oponente, o próprio plano já se diz por conta própria. Ele tem um plano registrado na Justiça e nesse plano consta o que ele pretende e o que ele não pretende fazer. Como o Covas também tem e é esse plano que a gente pretende conversar, tá?”, diz.

Ela ainda agradece e mostra que há conhecimento do governo Covas sobre a reunião. “Eu quero agradecer todas as mensagens que tenho recebido no sentido de alerta, cuidado, com a repercussão que essa possível reunião com mantenedores e creches. Eu já consultei o jurídico, a assessoria da secretaria, consultamos também o cartório eleitoral, não há irregularidade nenhuma. Nós não estamos utilizando a máquina para nada. Nós utilizamos e-mail pessoal, à noite, fora do horário de trabalho. (…) O secretário também já está sabendo dessa repercussão toda e é, assim, mais ou menos aquilo que a gente esperava para esse período”, diz.

Áudio atribuído à DRE São Mateus

Esclarecimento da campanha de Boulos

A RBA conversou com o professor da Universidade de São Paulo (USP) Daniel Cara, membro do grupo de trabalho de educação da campanha do Psol à prefeitura, que afirmou que essa fake news de que Boulos vai acabar com as creches conveniadas distorce o Programa de Governo. Ele elaborou um documento detalhando as propostas e objetivos.

“Nosso objetivo é garantir acesso à educação infantil com qualidade e, para tanto, São Paulo precisa trabalhar com a rede parceira. Entre os principais objetivos da candidatura de Guilherme Boulos e Luiza Erundina está zerar a fila da creche, garantindo padrão de qualidade. Diante disso, precisamos contar com as quase 310 mil matrículas dos Centros de Educação Infantil (CEIs) conveniados com a prefeitura de São Paulo”, defende Cara.

A cidade tem 2.470 unidades de creches conveniadas, enquanto a rede direta possui 370 CEIs. “Diante das metas do Plano Municipal de Educação (Lei 16.271/2015) e considerando o objetivo de ampliar o atendimento da educação infantil, não faz sentido encerrar convênios firmados com instituições sérias. Portanto, é fake news e má fé dizer que iremos fechar creches, encerrar matrículas e demitir educadoras e educadores. Inclusive, no primeiro turno, Guilherme Boulos já gravou áudio desmentido essa falsa notícia”, diz o documento.


Leia também


Segundo Cara, Covas distorceu o programa de governo de Boulos, omitindo o compromisso de garantir o padrão do Custo Aluno-Qualidade (CAQ) – valor-base mínimo a ser investido por aluno – a todos as creches, tanto da rede própria como da rede parceira.

“A diretriz de ‘universalizar escolas públicas de qualidade’, nosso programa traz a proposta de ‘reverter, gradativamente, o processo de privatização, terceirização e conveniamento da educação’. O texto não menciona ‘conveniamento da educação infantil’. Vamos manter as parcerias, trabalhando para melhorar as condições de trabalho das educadoras e dos educadores, exigindo qualidade. Reitero: a intenção do programa é frear o desmonte privatista da rede municipal de educação paulistana, promovido por Covas e seu secretário”, afirma o documento.