Relações perigosas

Frederick Wassef, advogado e homem forte da família Bolsonaro

“Eu moro em Brasília, estou no dia a dia aqui com o presidente e com a família Bolsonaro”, disse o advogado em entrevista concedida em abril

Reprodução
Imóvel no qual Queiroz foi preso é de propriedade de Frederick Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro

São Paulo – A prisão do policial aposentado Fabrício Queiroz, ex-assessor do então deputado estadual e hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), na manhã de hoje (18), no âmbito da Operação Anjo, trouxe à tona outro nome do círculo íntimo de Jair Bolsonaro: Frederick Wassef.

O imóvel no qual Queiroz foi preso, em Atibaia (SP), é do advogado que trabalha para Flávio Bolsonaro. Mas não só. É alguém próximo à família e com influência no governo. Nesta quarta-feira (17), por exemplo, esteve presente na posse do deputado federal Fábio Faria (PSD-RN) como ministro das Comunicações.

Em um perfil publicado pela revista Época em julho de 2019, ele comemorava uma vitória obtida no Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendia as investigações relativas ao esquema de “rachadinha”, feitas com base no compartilhamento de dados bancários sem autorização judicial. A apuração foi iniciada após a constatação de movimentações consideradas atípicas de R$ 1,2 milhão feitas por Queiroz entre 2016 e 2017.

Frederick Wassef se aproximou da família Bolsonaro em 2016 e, durante o período de pré-campanha, nas eleições presidenciais de 2018, apresentou a Bolsonaro o empresário Fábio Wajngarten. De acordo com a reportagem, “avisando que era a pessoa capaz de abrir as portas do SBT, da Record e da Rede TV ao futuro presidente da República”. Wajngarten foi nomeado titular da Secretaria de Comunicação (Secom) e hoje é secretário executivo do novo Ministério das Comunicações.

Em entrevista concedida à revista Veja, em julho de 2019, ele negou ter contato com Fabrício Queiroz. “Não sou advogado do Queiroz. O que eu vi é que ele disse na televisão repetidas vezes que o meu cliente jamais teve conhecimento de coisa alguma e jamais foi repassado recurso algum ao meu cliente.”

Na ocasião, Wassef disse que não conhecia o ex-assessor do seu cliente. “Não o conheço, nunca o vi. Eu nem vou ao Rio de Janeiro. Eu gostaria, na verdade, que ele aparecesse.” Segundo o delegado Nico Gonçalves, em declaração à GloboNews, Queiroz estaria escondido na residência do advogado há um ano, conforme teria dito o caseiro do local.

O senador Flávio Bolsonaro também negava, em julho de 2019, saber do paradeiro de Queiroz. “Não o vejo há muito tempo, não falo com ele há muito tempo. Qualquer contato meu com ele pode ser entendido pela Justiça como uma tentativa de obstruir alguma coisa. Então tenho de tomar cuidado triplicado para evitar que algum mal-entendido aconteça”, afirmou, à revista Época.

Proximidade de Wassef dos Bolsonaro

Em entrevista concedida à Rádio Gaúcha, em 28 de abril, o advogado foi taxativo quanto à proximidade com os Bolsonaro. “Eu moro em Brasília, estou no dia a dia aqui com o presidente e com a família Bolsonaro. Eu conheço tudo que tramita na família Bolsonaro”, afirmou.

A colunista da Folha de S. Paulo Mônica Bergamo também fala a respeito das relações de Wassef e o círculo do presidente. “O advogado Frederick Wassef é pessoa de extrema confiança da família Bolsonaro. Além de representar Flávio em processos, ele atua no caso da facada do presidente Jair Bolsonaro, que sofreu um atentado na campanha presidencial.”

O advogado tem contestado a apuração que envolve o atentado promovido por Adelio Bispo, endossando a narrativa bolsonarista de que ele não teria agido sozinho.

“Não tem nenhum problema o advogado ser amigo da família. O problema é que existe toda uma rede montada nesse esquema de proteção, de autoproteção, para blindar Investigações. O estranho é que o advogado ceda seu imóvel para um investigado”, disse a advogada e integrante da coordenação executiva da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) Tânia Maria de Oliveira, em entrevista ao Jornal Brasil Atual desta manhã.