Cortina de fumaça

Gleisi vai processar advogado de Bolsonaro por acusação ‘safada’

Advogado de Bolsonaro afirmou que PT pagou Adelio Bispo para esfaquear Bolsonaro. “Não tem resposta para tragédia social e quer desviar assunto”

arquivo ag. câmara
Gleisi: “Bolsonaro não tem resposta para a tragédia social que criou e quer desviar o assunto”

São Paulo – A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), anunciou que vai processar o advogado do presidente Jair Bolsonaro, Frederick Wassef, por mentir em rede de TV. Em um programa ao vivo na Rede Bandeirantes, nesta segunda-feira (11), o advogado disse que uma suposta testemunha teria informado a ele que o “PT pagou Adélio Bispo para esfaquear Jair Bolsonaro”.

“Esse advogado fez acusação safada contra o PT terá de responder na Justiça”, anunciou a parlamentar. “Bolsonaro não tem resposta para a tragédia social que criou e quer desviar o assunto”, acusou. “São mais de 11 mil mortes e o povo sofrendo pela irresponsabilidade do governo. Parem com fake news e cuidem das pessoas.”

Wassef é considerado um dos principais conselheiros de Bolsonaro e dos filhos. “No dia do atentado, Adélio passou o tempo todo seguindo e monitorando Bolsonaro. Ele premeditou, com riqueza de detalhes. Quando preso, foram encontrados com ele dinheiro, cartão de crédito internacional, quatro celulares, notebook, que misteriosamente desapareceram após o crime”, disse Wassef. Em seguida, o advogado contou que essa pessoa apresentada como nova testemunha “deteve fisicamente Adélio no dia do crime”.

Gleisi quer que o advogado revele perante a Justiça quem seria a testemunha e apresente indícios, ou responderá por denunciação caluniosa. Na entrevista à TV, o advogado reclamou da visibilidade que a imprensa dá à cobertura do assassinato da vereadora Marielle Franco, que ocorreu há mais de 500 dias, e cujas investigações não avançam.

“Quem está por trás disso é o PT. Isso foi encomendado. Houve pagamento, houve premeditação para assassinar Bolsonaro. O que teria acontecido se o meu cliente tivesse falecido naquele dia? Hoje, o presidente do Brasil seria Fernando Haddad, aquele comunista socialista, que impôs à cidade de São Paulo andar a 50 por hora”, disse Wasseff.


Leia também


Últimas notícias