Home Política BNDES destitui funcionária exemplar por blefe de ministro, afirma associação
Truculência

BNDES destitui funcionária exemplar por blefe de ministro, afirma associação

Para entidade que representa os funcionários do banco, não há justificativa para o afastamento
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
20:10
Compartilhar:   
divulgação

Associação acusa Ministério de Meio Ambiente de ingerência no banco

São Paulo – A Associação dos Funcionários do BNDES divulgou nota na qual afirma discordar do afastamento da chefe do departamento responsável pela gestão do Fundo Amazônia, Daniela Baccas. Para a entidade, trata-se de uma “ingerência” do Ministério do Meio Ambiente no banco.

A decisão foi tomada depois que o ministro Ricardo Salles, que a associação chama de “truculento”, anunciou, na sexta-feira (17) que haviam sido encontradas “inconsistências” em contratos de projetos com apoio do fundo, que é gerido pelo BNDES. “A nota pública divulgada pelo Banco para justificar a medida é extremamente insatisfatória e funciona como uma racionalização precária para o que de fato é uma ingerência do Ministério do Meio Ambiente no BNDES”, afirma a entidade em nota.

Ainda de acordo com a associação, é falsa a afirmação de que a decisão de afastar a funcionária é uma “prática natural” enquanto se buscam esclarecimentos. “Fosse assim, o presidente do BNDES, Joaquim Levy, e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, estariam impedidos de exercer suas funções, uma vez que o primeiro é investigado pelo TCU e o segundo está sob investigação criminal – além de já ter sido condenado em primeira instância judicial por improbidade administrativa.”

Auditorias

A associação dos funcionários afirma ainda que o Fundo Amazônia “é um dos mecanismos financeiros mais controlados do país”, passando por duas auditorias independentes anuais, “além de reunião com doadores que periodicamente realizam avaliações independentes”.

“Recentemente, a embaixada da Noruega e o KFW (Banco de desenvolvimento alemão) realizaram avaliações com resultados positivos sobre o Fundo, relatando o cumprimento de suas obrigações de transparência. Para isso, foram utilizados site específico e elaboração de reportes, além dos controles usuais a que o BNDES está submetido (auditoria interna, ouvidoria, CGU e TCU)”, acrescenta a entidade. Em 2018, o Tribunal de Contas fez auditoria sobre projetos do Fundo.

“Como a conferência à imprensa realizada na última sexta-feira mostrou, todas as acusações do ministro do Meio Ambiente são vagas e superficiais. Ele próprio se recuou a chamar suas investigações de auditoria”, critica a associação. “O comportamento truculento e persecutório de Ricardo Salles era também de conhecimento da diretoria do BNDES, uma vez que, em mais de uma oportunidade, aproveitou visitas ao Banco para tentar intimidar empregados do BNDES a fornecer informações sem respeito a qualquer protocolo administrativo.”

“Em resumo: o BNDES destitui uma funcionária exemplar de suas funções com base em um blefe do ministro do Meio Ambiente”, conclui a associação dos funcionários do BNDES.